Internacional

Contra escassez, ONU pede que Venezuela aceite ajuda internacional

A Venezuela rejeita qualquer tipo de ajuda humanitária considerando que isso poderia ser usado como pretexto para uma possível intervenção militar

Redação, com informações da ANSA

jornalismo@portalamazonia.com


O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta quinta-feira (27) a primeira resolução de sua história sobre a Venezuela, pedindo que o governo do país aceite "ajuda humanitária" internacional para resolver a "escassez" de alimentos e remédios que afeta a população. As informações são da ANSA.

           
Foto:Reprodução
          O texto, proposto por diversos países americanos, como Argentina, Peru, Chile, Colômbia e Canadá, foi aprovado com 23 votos a favor e sete contra, incluindo os de China, Cuba e da própria Venezuela - outras 17 nações abstiveram-se.

A resolução pede para que Caracas "aceite ajuda humanitária com o objetivo de remediar a escassez de alimentos, medicamentos e recursos médicos", já que isso vem gerando um "aumento da desnutrição, em particular de crianças, e a aparição de doenças que haviam sido erradicadas ou controladas anteriormente na América do Sul".

Além disso, o conselho também pede para a Venezuela "cooperar" com o Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, que é dirigido pela ex-presidente do Chile Michelle Bachelet, através da divulgação de um "relatório abrangente" sobre a situação do país, que será analisado na 41º sessão do colegiado, em junho de 2019.

O embaixador venezuelano na ONU, Jorge Valero, condenou a resolução e a considerou "o começo de uma escalada intervencionista" para conseguir a queda do governo e "estabelecer um mecanismo de tutela estrangeira" sobre a Venezuela. Valero ainda acusou os países que promoveram a resolução de serem instrumentos dos Estados Unidos e de Israel contra Caracas.

Até então, todas as tentativas de introduzir a crise humanitária venezuelana na agenda do conselho haviam fracassado, mas, desta vez, o chamado Grupo de Lima, que é composto por países do continente americano, conseguiu atingir sua meta.

O embaixador do Peru Claudio de la Puente afirmou que era hora de o órgão abordar uma situação que provocou a saída de cerca de 2 milhões de venezuelanos para outros países da região. Segundo ele, o objetivo da iniciativa é "dar voz a milhões de venezuelanos que sofrem com a crise".

A Venezuela rejeita qualquer tipo de ajuda humanitária, principalmente dos países ocidentais, considerando que isso poderia ser usado como pretexto para uma possível intervenção militar.

Internacional

Home > Noticias > null

Contra escassez, ONU pede que Venezuela aceite ajuda internacional

A Venezuela rejeita qualquer tipo de ajuda humanitária considerando que isso poderia ser usado como pretexto para uma possível intervenção militar

Redação, com informações da ANSA

jornalismo@portalamazonia.com


O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta quinta-feira (27) a primeira resolução de sua história sobre a Venezuela, pedindo que o governo do país aceite "ajuda humanitária" internacional para resolver a "escassez" de alimentos e remédios que afeta a população. As informações são da ANSA.

           
Foto:Reprodução
          O texto, proposto por diversos países americanos, como Argentina, Peru, Chile, Colômbia e Canadá, foi aprovado com 23 votos a favor e sete contra, incluindo os de China, Cuba e da própria Venezuela - outras 17 nações abstiveram-se.

A resolução pede para que Caracas "aceite ajuda humanitária com o objetivo de remediar a escassez de alimentos, medicamentos e recursos médicos", já que isso vem gerando um "aumento da desnutrição, em particular de crianças, e a aparição de doenças que haviam sido erradicadas ou controladas anteriormente na América do Sul".

Além disso, o conselho também pede para a Venezuela "cooperar" com o Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, que é dirigido pela ex-presidente do Chile Michelle Bachelet, através da divulgação de um "relatório abrangente" sobre a situação do país, que será analisado na 41º sessão do colegiado, em junho de 2019.

O embaixador venezuelano na ONU, Jorge Valero, condenou a resolução e a considerou "o começo de uma escalada intervencionista" para conseguir a queda do governo e "estabelecer um mecanismo de tutela estrangeira" sobre a Venezuela. Valero ainda acusou os países que promoveram a resolução de serem instrumentos dos Estados Unidos e de Israel contra Caracas.

Até então, todas as tentativas de introduzir a crise humanitária venezuelana na agenda do conselho haviam fracassado, mas, desta vez, o chamado Grupo de Lima, que é composto por países do continente americano, conseguiu atingir sua meta.

O embaixador do Peru Claudio de la Puente afirmou que era hora de o órgão abordar uma situação que provocou a saída de cerca de 2 milhões de venezuelanos para outros países da região. Segundo ele, o objetivo da iniciativa é "dar voz a milhões de venezuelanos que sofrem com a crise".

A Venezuela rejeita qualquer tipo de ajuda humanitária, principalmente dos países ocidentais, considerando que isso poderia ser usado como pretexto para uma possível intervenção militar.

TAG ONUvenezuelainternacionalAmazonia Internacional