Publicidade

Cidades

Home > Noticias > null

Aumenta número de regiões que sofrem com a mosca da carambola, em Roraima

A mosca da carambola estraga os frutos e os torna impróprios para o consumo.

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


O número de regiões que sofrem com a mosca da carambola em Roraima aumentou, segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Estado (ADERR).
 
Foto:Divulgação/Embrapa

A praga está presente nos municípios rondonienses de Alto Alegre, Amajari, Bonfim, Normandia, Uiramutã, Pacaraima e parte do município de Boa Vista. Todas essas localidades foram consideradas regiões de quarentena, pelo Ministério da Agricultura.
 

O presidente da Agência de Defesa Agropecuária de Roraima, Gelb Platão, explica que na região de quarentena é proibido o trânsito de frutos que são hospedeiros da mosca da carambola.
 

Já na vila de Martins Pereira, no município de Rorainópolis, a praga está erradicada, segundo a nova resolução do Ministério da Agricultura e foram considerados “Zona Tampão” os municípios de Cantá e de Mucajaí.
 

Segundo Gelb Platão, área de quarentena é onde está presente a mosca. Já a chamada área tampão é aquela imediatamente após a área de quarentena. O presidente da Agência Agropecuária explica que um novo foco da praga apareceu, forçando a criação de uma nova barreira sanitária.
 

O município é considerado livre da mosca da carambola quando os técnicos não capturam a praga no local durante três ciclos, ou seja, 378 dias. Se isso ocorrer, a região é considerada erradicada da mosca.
 

A mosca da carambola estraga os frutos e os torna impróprios para o consumo.


Cidades

Aumenta número de regiões que sofrem com a mosca da carambola, em Roraima

A mosca da carambola estraga os frutos e os torna impróprios para o consumo.

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


O número de regiões que sofrem com a mosca da carambola em Roraima aumentou, segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Estado (ADERR).
 
Foto:Divulgação/Embrapa

A praga está presente nos municípios rondonienses de Alto Alegre, Amajari, Bonfim, Normandia, Uiramutã, Pacaraima e parte do município de Boa Vista. Todas essas localidades foram consideradas regiões de quarentena, pelo Ministério da Agricultura.
 

O presidente da Agência de Defesa Agropecuária de Roraima, Gelb Platão, explica que na região de quarentena é proibido o trânsito de frutos que são hospedeiros da mosca da carambola.
 

Já na vila de Martins Pereira, no município de Rorainópolis, a praga está erradicada, segundo a nova resolução do Ministério da Agricultura e foram considerados “Zona Tampão” os municípios de Cantá e de Mucajaí.
 

Segundo Gelb Platão, área de quarentena é onde está presente a mosca. Já a chamada área tampão é aquela imediatamente após a área de quarentena. O presidente da Agência Agropecuária explica que um novo foco da praga apareceu, forçando a criação de uma nova barreira sanitária.
 

O município é considerado livre da mosca da carambola quando os técnicos não capturam a praga no local durante três ciclos, ou seja, 378 dias. Se isso ocorrer, a região é considerada erradicada da mosca.
 

A mosca da carambola estraga os frutos e os torna impróprios para o consumo.



TAG mosca da carambolamosca carambola roraima moscas de frutasroraima