Publicidade

Esportes

Home > Noticias > null

Arqueira indígena amazonense se classifica em 1º lugar para o Pan-Americano de Lima 2019

Em março, a atleta indígena Graziela Yaci já havia alcançado também outra conquista. Ela participou do Grand Prix do México de Tiro com Arco

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A arqueira indígena amazonense Graziela Paulino dos Santos, de 23 anos, a Yaci da etnia Karapana, se classificou em 1º lugar para participar e competir nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019, previsto para acontecer entre 26 de julho a 11 de agosto, em Lima, no Peru. Agora, a atleta vai representar o Brasil na competição. Graziela recebe apoio da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) pelo Projeto de Arquearia Indígena.


A seletiva para a classificação ao Pan de Lima aconteceu neste final de semana na cidade de Maracá, no Rio de Janeiro. Pelas redes sociais, Graziela Yaci comemorou a conquista. “Estou muito feliz, foi uma seletiva na qual tive um excelente resultado, bati meu recorde pessoal na pontuação e atirei como gente grande”, festejou a jovem atleta indígena. “Eu ainda tenho muito que trabalhar e melhorar ainda mais”, reforçou.


Os Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 serão um evento multiesportivo com dezessete dias de competições e previsto para receber 6.690 atletas de 41 países em 424 competições de 39 modalidades. “Agora vou ficar concentrada treinando com o técnico da Seleção Brasileira e com os outros atletas até a data do Mundial de Tiro com Arco na Holanda”, reforçou a amazonense.

 

 

       
Foto: Divulgação
 

 


Mundial de Tiro com Arco


Antes da confirmação para o Pan, Graziela Yaci já havia conseguido outro feito inédito neste ano: a classificação dela para o Mundial de Tiro com Arco, que acontece neste mês de junho, na Holanda. Graziela será a primeira atleta amazonense a representar o Brasil no mundial, que serve como etapa classificatória para os Jogos Olímpicos de Tokyo 2020.

 


Antes disso, em março, a atleta indígena Graziela Yaci já havia alcançado também outra conquista. Ela participou do Grand Prix do México de Tiro com Arco, disputado na cidade de Monterrey, no México, e levou para casa medalha de prata na competição.

 

 


Arquearia Indígena


Graziela integra o Projeto de Arquearia Indígena no Amazonas, uma parceria entre a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) e a Federação Amazonense de Tiro com Arco (Fatarco), com objetivo de contribuir e apoiar diretamente para a promoção e o fortalecimento da cultura, imagem e autoestima das populações indígenas no Estado do Amazonas.


Através do projeto, Graziela e outros arqueiros indígenas do Amazonas recebem acompanhamento, instrução, avaliação, treinamento e alimentação para crescer no esporte e disputar competições regionais, nacionais e internacionais. Desenvolvido desde 2013, o projeto tem parceria com o Banco Bradesco e apoio da Confederação das Organizações e Povos Indígenas do Amazonas (Coipam), da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), e patrocínio das Lojas Bemol, Fogás, Val Group, além de apoio da Latam, Bradesco, Accor Hotéis Centro Educacional La Salle e Faculdade La Salle, por Meio da Lei de Incentivo ao Esporte.

Esportes

Arqueira indígena amazonense se classifica em 1º lugar para o Pan-Americano de Lima 2019

Em março, a atleta indígena Graziela Yaci já havia alcançado também outra conquista. Ela participou do Grand Prix do México de Tiro com Arco


A arqueira indígena amazonense Graziela Paulino dos Santos, de 23 anos, a Yaci da etnia Karapana, se classificou em 1º lugar para participar e competir nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019, previsto para acontecer entre 26 de julho a 11 de agosto, em Lima, no Peru. Agora, a atleta vai representar o Brasil na competição. Graziela recebe apoio da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) pelo Projeto de Arquearia Indígena.


A seletiva para a classificação ao Pan de Lima aconteceu neste final de semana na cidade de Maracá, no Rio de Janeiro. Pelas redes sociais, Graziela Yaci comemorou a conquista. “Estou muito feliz, foi uma seletiva na qual tive um excelente resultado, bati meu recorde pessoal na pontuação e atirei como gente grande”, festejou a jovem atleta indígena. “Eu ainda tenho muito que trabalhar e melhorar ainda mais”, reforçou.


Os Jogos Pan-Americanos de Lima 2019 serão um evento multiesportivo com dezessete dias de competições e previsto para receber 6.690 atletas de 41 países em 424 competições de 39 modalidades. “Agora vou ficar concentrada treinando com o técnico da Seleção Brasileira e com os outros atletas até a data do Mundial de Tiro com Arco na Holanda”, reforçou a amazonense.

 

 

       
Foto: Divulgação
 

 


Mundial de Tiro com Arco


Antes da confirmação para o Pan, Graziela Yaci já havia conseguido outro feito inédito neste ano: a classificação dela para o Mundial de Tiro com Arco, que acontece neste mês de junho, na Holanda. Graziela será a primeira atleta amazonense a representar o Brasil no mundial, que serve como etapa classificatória para os Jogos Olímpicos de Tokyo 2020.

 


Antes disso, em março, a atleta indígena Graziela Yaci já havia alcançado também outra conquista. Ela participou do Grand Prix do México de Tiro com Arco, disputado na cidade de Monterrey, no México, e levou para casa medalha de prata na competição.

 

 


Arquearia Indígena


Graziela integra o Projeto de Arquearia Indígena no Amazonas, uma parceria entre a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) e a Federação Amazonense de Tiro com Arco (Fatarco), com objetivo de contribuir e apoiar diretamente para a promoção e o fortalecimento da cultura, imagem e autoestima das populações indígenas no Estado do Amazonas.


Através do projeto, Graziela e outros arqueiros indígenas do Amazonas recebem acompanhamento, instrução, avaliação, treinamento e alimentação para crescer no esporte e disputar competições regionais, nacionais e internacionais. Desenvolvido desde 2013, o projeto tem parceria com o Banco Bradesco e apoio da Confederação das Organizações e Povos Indígenas do Amazonas (Coipam), da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), e patrocínio das Lojas Bemol, Fogás, Val Group, além de apoio da Latam, Bradesco, Accor Hotéis Centro Educacional La Salle e Faculdade La Salle, por Meio da Lei de Incentivo ao Esporte.


TAG manausamazonasatletaindigena