Publicidade

Esportes

Home > Noticias > null

É do Amazonas! Conheça a primeira mulher indígena da Seleção Brasileira de Tiro com Arco

Entrevista com Graziela Paulino, a arqueira indígena da seleção brasileira que já coleciona vários títulos nacionais e internacionais

Portal Amazônia, com informações da Funai

jornalismo@portalamazonia.com


A conquista de Graziela Paulino (Yaci Karapãna), no início de maio, capturou a atenção da imprensa. Classificada em 1º lugar para o Pan-Americano de Lima no tiro com arco, a jovem traz na destreza dos movimentos a determinação, coragem, ousadia e responsabilidade em ser a primeira mulher indígena a compor a Seleção Brasileira.


As vitórias mais expressivas da amazonense de 22 anos renderam as 10 dez medalhas conquistadas desde 2014 só em campeonatos nacionais e mundiais, como os dois ouros trazidos do Campeonato Sul Americano de 2018, na Bolívia, e a prata do Grand Prix do México, este ano. Além de classificada para o Pan, Graziela disputará o campeonato mundial na Holanda, em junho, e já se prepara para agarrar uma vaga para as olimpíadas de Tokio, em 2020. 
     
Foto: Divulgação
 

As brincadeiras de arco e flecha com os tios, irmãos e pai, ainda aos 11 anos, estimularam o ingresso no tiro com arco esportivo, modalidade olímpica em que muitos indígenas brasileiros se destacam. De acordo com Vicente Blumenschein, presidente da Confederação Brasileira de Tiro com Arco, quatro representantes dos povos originários já fizeram parte da seleção brasileira: Dream Braga e Nelson Silva, do povo Kambeba, e os irmãos Gustavo e Graziela Paulino, do povo Karapãna.


“É importante mostrar para o país a capacidade dos nossos indígenas de nos representar em competições internacionais. A habilidade em atirar com arco e flecha influencia positivamente na adaptação ao tiro com arco olímpico”, declara Blumenschein que, atualmente, desenvolve um projeto no Xingu para a implementação da modalidade entre crianças e jovens das comunidades indígenas.


Criada no sítio dos pais e em convívio com a comunidade da aldeia Kuanã desde os 10 anos de idade, Graziela é mais uma revelação do povo Karapãna para o esporte brasileiro. Além da jovem e do irmão, Gustavo Paulino, ambos arqueiros da Seleção, os Karapãna também são representados a nível nacional pelo wakeboarder Jajá do Wake, primo de Graziela.
       
Foto: Divulgação/Funai
 

Em meio à rotina de treino de seis a oito horas por dia, de segunda a sábado, em Maricá/RJ, onde se prepara para as próximas competições, Graziela concedeu entrevista à equipe de Comunicação da Funai. Na ocasião, contou sobre sua relação com o esporte e como seus resultados têm incentivado outras garotas indígenas.


Funai: Como foi seu ingresso no esporte?


Graziela: Eu comecei a praticar o arco e flecha por brincadeira com meu tio Joílson e com meus irmãos e meu pai. No Dia do Índio, lá na região, eles fazem jogos interculturais indígenas e sempre têm bastante brincadeiras. A gente fazia os arcos e flechas para ir lá representar nossa escola e nossa etnia. Para entrar no Tiro com Arco, eu ingressei no Projeto Arquearia Indígena, que foi idealizado pelo professor Virgílio Viana, superintendente da FAS (Fundação Amazonas Sustentável). Eles selecionaram 12 jovens do Rio Cuieiras, eu era a única mulher. Oito foram morar em Manaus em 2014, mas apenas cinco atletas permaneceram no esporte.


Funai: Quais os maiores desafios que você já teve que enfrentar no tiro com arco?


Graziela: O desafio muito grande está sendo ficar longe de casa esse ano. Fiquei três meses longe da família e agora vou ficar mais quase dois meses. O outro desafio é lidar com o treino diário porque ficamos cansados, às vezes estressados, mas depois superamos. Eu nunca desisto de tentar tudo de novo para conseguir meus objetivos. Creio que esses são meus maiores desafios: ficar bem comigo mesma e controlar a saudade de casa.


Funai: Quais lugares do Brasil e do mundo você já conheceu por causa do tiro com arco?


Graziela: Eu já conheci o Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás, Turquia, Bolívia, Peru, México e ainda vou conhecer a Holanda. Isso é bem legal! O esporte nos proporciona conhecer outras culturas, ajuda a entender outras pessoas e nos faz crescer como ser humano. 
       
Foto: Divulgação/Funai
 

Funai:
Quais aspectos da cultura Karapãna e das suas experiências e aprendizados na aldeia e com o seu povo você traz para o esporte e para os momentos de competição?


Graziela: Sempre fui uma pessoa bem calma, focada e esforçada para alcançar meus objetivos, então acho que isso me ajuda na competição. Estou sempre dando o melhor de mim para representar meu estado, o Brasil e o meu povo também. Eu não costumo fazer que nem o Jair (Jajá do Wake) com os grafismos nos dias das competições por causa do tempo reduzido, mas eu sempre trago comigo minha família e meu povo no coração e procuro representá-los bem.   
Esportes

É do Amazonas! Conheça a primeira mulher indígena da Seleção Brasileira de Tiro com Arco

Entrevista com Graziela Paulino, a arqueira indígena da seleção brasileira que já coleciona vários títulos nacionais e internacionais

Portal Amazônia, com informações da Funai

jornalismo@portalamazonia.com


A conquista de Graziela Paulino (Yaci Karapãna), no início de maio, capturou a atenção da imprensa. Classificada em 1º lugar para o Pan-Americano de Lima no tiro com arco, a jovem traz na destreza dos movimentos a determinação, coragem, ousadia e responsabilidade em ser a primeira mulher indígena a compor a Seleção Brasileira.


As vitórias mais expressivas da amazonense de 22 anos renderam as 10 dez medalhas conquistadas desde 2014 só em campeonatos nacionais e mundiais, como os dois ouros trazidos do Campeonato Sul Americano de 2018, na Bolívia, e a prata do Grand Prix do México, este ano. Além de classificada para o Pan, Graziela disputará o campeonato mundial na Holanda, em junho, e já se prepara para agarrar uma vaga para as olimpíadas de Tokio, em 2020. 
     
Foto: Divulgação
 

As brincadeiras de arco e flecha com os tios, irmãos e pai, ainda aos 11 anos, estimularam o ingresso no tiro com arco esportivo, modalidade olímpica em que muitos indígenas brasileiros se destacam. De acordo com Vicente Blumenschein, presidente da Confederação Brasileira de Tiro com Arco, quatro representantes dos povos originários já fizeram parte da seleção brasileira: Dream Braga e Nelson Silva, do povo Kambeba, e os irmãos Gustavo e Graziela Paulino, do povo Karapãna.


“É importante mostrar para o país a capacidade dos nossos indígenas de nos representar em competições internacionais. A habilidade em atirar com arco e flecha influencia positivamente na adaptação ao tiro com arco olímpico”, declara Blumenschein que, atualmente, desenvolve um projeto no Xingu para a implementação da modalidade entre crianças e jovens das comunidades indígenas.


Criada no sítio dos pais e em convívio com a comunidade da aldeia Kuanã desde os 10 anos de idade, Graziela é mais uma revelação do povo Karapãna para o esporte brasileiro. Além da jovem e do irmão, Gustavo Paulino, ambos arqueiros da Seleção, os Karapãna também são representados a nível nacional pelo wakeboarder Jajá do Wake, primo de Graziela.
       
Foto: Divulgação/Funai
 

Em meio à rotina de treino de seis a oito horas por dia, de segunda a sábado, em Maricá/RJ, onde se prepara para as próximas competições, Graziela concedeu entrevista à equipe de Comunicação da Funai. Na ocasião, contou sobre sua relação com o esporte e como seus resultados têm incentivado outras garotas indígenas.


Funai: Como foi seu ingresso no esporte?


Graziela: Eu comecei a praticar o arco e flecha por brincadeira com meu tio Joílson e com meus irmãos e meu pai. No Dia do Índio, lá na região, eles fazem jogos interculturais indígenas e sempre têm bastante brincadeiras. A gente fazia os arcos e flechas para ir lá representar nossa escola e nossa etnia. Para entrar no Tiro com Arco, eu ingressei no Projeto Arquearia Indígena, que foi idealizado pelo professor Virgílio Viana, superintendente da FAS (Fundação Amazonas Sustentável). Eles selecionaram 12 jovens do Rio Cuieiras, eu era a única mulher. Oito foram morar em Manaus em 2014, mas apenas cinco atletas permaneceram no esporte.


Funai: Quais os maiores desafios que você já teve que enfrentar no tiro com arco?


Graziela: O desafio muito grande está sendo ficar longe de casa esse ano. Fiquei três meses longe da família e agora vou ficar mais quase dois meses. O outro desafio é lidar com o treino diário porque ficamos cansados, às vezes estressados, mas depois superamos. Eu nunca desisto de tentar tudo de novo para conseguir meus objetivos. Creio que esses são meus maiores desafios: ficar bem comigo mesma e controlar a saudade de casa.


Funai: Quais lugares do Brasil e do mundo você já conheceu por causa do tiro com arco?


Graziela: Eu já conheci o Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás, Turquia, Bolívia, Peru, México e ainda vou conhecer a Holanda. Isso é bem legal! O esporte nos proporciona conhecer outras culturas, ajuda a entender outras pessoas e nos faz crescer como ser humano. 
       
Foto: Divulgação/Funai
 

Funai:
Quais aspectos da cultura Karapãna e das suas experiências e aprendizados na aldeia e com o seu povo você traz para o esporte e para os momentos de competição?


Graziela: Sempre fui uma pessoa bem calma, focada e esforçada para alcançar meus objetivos, então acho que isso me ajuda na competição. Estou sempre dando o melhor de mim para representar meu estado, o Brasil e o meu povo também. Eu não costumo fazer que nem o Jair (Jajá do Wake) com os grafismos nos dias das competições por causa do tempo reduzido, mas eu sempre trago comigo minha família e meu povo no coração e procuro representá-los bem.   

TAG arqueira indigena Yaci KarapãnaGraziela paulinoamazonaspan americano limaperu