Publicidade

Meio Ambiente

Home > Noticias > null

Amazonas bate recorde histórico de focos de queimada

Com mais de 11 mil casos em menos de dez meses, 2015 entra para a história de monitoramento de queimadas do Inpe

Izabel Santos


MANAUS – O ano ainda não terminou e o Amazonas já bateu o recorde histórico de focos de queimadas. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que calcula 11.439 registros de incêndios entre janeiro e 4 de outubro de 2015. O número - que ainda vai crescer até dezembro - representa aumento de 22% em relação ao recorde anual anterior.O monitoramento do Inpe é realizado desde 1998. Desde então, o ano com o maior número de queimadas detectadas pelo Instituto era 2014, com 9.322 focos. A marca foi superada em setembro, que também entra para a história como o mês com o maior número de queimadas em 17 anos, totalizando 5.882, uma média que supera 190 focos por dia. Já nos primeiros quatro dias de outubro de 2015, o Amazonas registrou 399 focos de queimadas. Este número equivale a mais de 99 focos de queimada por dia. 

Comparação do total de focos ativos detectados pelo satélite de referência do Inpe em cada mês, no período de 1998 até 05/10/2015. Imagem: Reprodução/Inpe
Careiro da Várzea, na Região Metropolitana de Manaus, é o município que registrou mais focos de queimadas, com 43. Em seguida vem Careiro (41), Autazes (35), Manacapuru (32), Caapiranga (21), Humaitá (18), Presidente Figueiredo (17), Borba (17). Manaquiri (16) e Lábrea (14). De acordo com Inpe, em Manaus foram registrados quatro focos.
Fumaça em ManausOs focos de queimadas foram apontados como causas da densa fumaça que encobriu a capital do Amazonas desde a última quinta-feira (1). A situação causou preocupação e desconforto à saúde da população e ainda foi percebida nesta segunda-feira (5). 
Devido à fumaça, o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes operou por instrumentos de 2h45 até 9h19 desta segunda-feira (5). Segundo a Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), não houve cancelamentos ou atrasos de voos durante o período. Na quinta-feira (1), o terminal já havia operado por instrumentos entre 6h e 8h43. 

Meio Ambiente

Amazonas bate recorde histórico de focos de queimada

Com mais de 11 mil casos em menos de dez meses, 2015 entra para a história de monitoramento de queimadas do Inpe

Izabel Santos


MANAUS – O ano ainda não terminou e o Amazonas já bateu o recorde histórico de focos de queimadas. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que calcula 11.439 registros de incêndios entre janeiro e 4 de outubro de 2015. O número - que ainda vai crescer até dezembro - representa aumento de 22% em relação ao recorde anual anterior.O monitoramento do Inpe é realizado desde 1998. Desde então, o ano com o maior número de queimadas detectadas pelo Instituto era 2014, com 9.322 focos. A marca foi superada em setembro, que também entra para a história como o mês com o maior número de queimadas em 17 anos, totalizando 5.882, uma média que supera 190 focos por dia. Já nos primeiros quatro dias de outubro de 2015, o Amazonas registrou 399 focos de queimadas. Este número equivale a mais de 99 focos de queimada por dia. 

Comparação do total de focos ativos detectados pelo satélite de referência do Inpe em cada mês, no período de 1998 até 05/10/2015. Imagem: Reprodução/Inpe
Careiro da Várzea, na Região Metropolitana de Manaus, é o município que registrou mais focos de queimadas, com 43. Em seguida vem Careiro (41), Autazes (35), Manacapuru (32), Caapiranga (21), Humaitá (18), Presidente Figueiredo (17), Borba (17). Manaquiri (16) e Lábrea (14). De acordo com Inpe, em Manaus foram registrados quatro focos.
Fumaça em ManausOs focos de queimadas foram apontados como causas da densa fumaça que encobriu a capital do Amazonas desde a última quinta-feira (1). A situação causou preocupação e desconforto à saúde da população e ainda foi percebida nesta segunda-feira (5). 
Devido à fumaça, o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes operou por instrumentos de 2h45 até 9h19 desta segunda-feira (5). Segundo a Empresa de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), não houve cancelamentos ou atrasos de voos durante o período. Na quinta-feira (1), o terminal já havia operado por instrumentos entre 6h e 8h43. 


TAG