Publicidade

Saúde

Home > Noticias > null

AM: Mortes por câncer de colo de útero aumentam 126%, em dez anos

Dados do Incra, divulgados recentemente, indicam uma estimativa de 580 novos casos da doença, no estado amazonense,

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


Segundo dados recentes do Ministério da Saúde, o estado do Amazonas apresentou aumento de 126,75% no número de óbitos decorrentes do câncer de colo de útero, entre 2007 e 2017. A taxa de mortes saltou de 8,36 por 100 mil pessoas para 15,03 por 100 mil. No mesmo período, em todo o Brasil, a elevação foi de 42,13%.


Já dados do Instituto Nacional do Câncer (Incra), divulgados recentemente, indicam uma estimativa de 580 novos casos da doença, no estado amazonense, somente neste ano de 2020.


Embora boa parte desses casos esteja ligado à melhor notificação da doença, existem falhas nos sistema de prevenção e tratamento que podem impactar na quantidade de mulheres diagnosticadas todos os anos. A cobertura vacinal tem atingido público menor que o necessário e, de outro lado, a taxa de mulheres que fazem consultas regulares ao ginecologista também se mostra aquém do necessário para garantir melhores condições de saúde.

 
       
Foto: Reprodução/Shutterstock
 

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a doença é altamente prevenível e tratável. Contudo, no país, o enfrentamento da doença encontra obstáculos no elevado número de mulheres que não realizam exames preventivos periodicamente, na escassez de centros especializados no tratamento do câncer e na reduzida cobertura da vacinação contra o HPV (Papilomavírus Humano), principal agente causador da neoplasia.


Segundo o Incra, o câncer de colo de útero é o terceiro tumor maligno mais frequente em mulheres e a segunda causa de morte por neoplasias na população feminina. O ginecologista Dr. Jesus Paula Carvalho, presidente da Comissão Nacional Especializada em Ginecologia Oncológica da Febrasgo, explica que a forma mais eficaz de prevenção do câncer de colo de útero se dá por meio da vacinação contra o HPV.


A vacina distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) protege contra quatro tipos do vírus: 6, 11, 16 e 18 – sendo os dois últimos relacionados a 70% dos casos de câncer de útero. “A Febrasgo tem defendido que para uma ação efetiva, a cobertura vacinal seja de 90%. Hoje é de 46%”, disse o médico.

O especialista ainda explica que a vacina contra HPV deve em um cenário ideal ser ministrada em três doses para completa ação protetiva, porém duas doses têm se mostrado suficientes. Segundo ele, seria importante que todas elas fossem aplicadas nas escolas. “Hoje, para tomar a última dose da vacina, é necessário buscar  uma unidade de saúde, o que tem gerado evasão. É importante irmos até os jovens para garantir essa prevenção. E as escolas poderiam ser esse local”, contou.


Mulheres de 09 a 45 anos podem se vacinar contra o HPV. A vacina está disponível gratuitamente nas unidades básicas de saúde para meninas de 9 a 14 anos e para meninos de 11 a 13 anos. Para os homens, indica-se que a prevenção ocorra até os 26 anos. Quanto mais precocemente ocorrer, maior o potencial de a proteção ocorrer antes que a pessoa tenha contato com o vírus. A dificuldade de acesso ou hábito de se consultar regularmente com profissionais de ginecologia é outro entrave à prevenção, identificação e, consequente, tratamento do câncer cervical uterino. Pesquisa da Febrasgo, realizada em 2018, revelou que 13% das mulheres, com mais de 16 anos, nunca foram ou não costuma ir ao ginecologista.


Outro dado que incide negativamente no combate à doença aponta que 60% da população feminina chegam, pela primeira vez, ao consultório do ginecologista com cerca de 20 anos de idade em decorrência de algum problema instalado, por suspeita de gravidez ou por já estar grávida.


Carvalho sugere que uma forma de incentivar a procura por acompanhamento médico preventivo seria atrelá-lo a programas sociais, como o Bolsa Família. “Cerca de 1/3 das mulheres não realizada o exame de prevenção do câncer de colo de útero, o papanicolau. Ao colocá-lo como uma das contrapartidas de acesso a esse tipo de programa, teremos mais condições de promover um rastreamento da doença, além de orientar e ajudar a prevenir outras patologias”, contou.         
Saúde

AM: Mortes por câncer de colo de útero aumentam 126%, em dez anos

Dados do Incra, divulgados recentemente, indicam uma estimativa de 580 novos casos da doença, no estado amazonense,


Segundo dados recentes do Ministério da Saúde, o estado do Amazonas apresentou aumento de 126,75% no número de óbitos decorrentes do câncer de colo de útero, entre 2007 e 2017. A taxa de mortes saltou de 8,36 por 100 mil pessoas para 15,03 por 100 mil. No mesmo período, em todo o Brasil, a elevação foi de 42,13%.


Já dados do Instituto Nacional do Câncer (Incra), divulgados recentemente, indicam uma estimativa de 580 novos casos da doença, no estado amazonense, somente neste ano de 2020.


Embora boa parte desses casos esteja ligado à melhor notificação da doença, existem falhas nos sistema de prevenção e tratamento que podem impactar na quantidade de mulheres diagnosticadas todos os anos. A cobertura vacinal tem atingido público menor que o necessário e, de outro lado, a taxa de mulheres que fazem consultas regulares ao ginecologista também se mostra aquém do necessário para garantir melhores condições de saúde.

 
       
Foto: Reprodução/Shutterstock
 

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), a doença é altamente prevenível e tratável. Contudo, no país, o enfrentamento da doença encontra obstáculos no elevado número de mulheres que não realizam exames preventivos periodicamente, na escassez de centros especializados no tratamento do câncer e na reduzida cobertura da vacinação contra o HPV (Papilomavírus Humano), principal agente causador da neoplasia.


Segundo o Incra, o câncer de colo de útero é o terceiro tumor maligno mais frequente em mulheres e a segunda causa de morte por neoplasias na população feminina. O ginecologista Dr. Jesus Paula Carvalho, presidente da Comissão Nacional Especializada em Ginecologia Oncológica da Febrasgo, explica que a forma mais eficaz de prevenção do câncer de colo de útero se dá por meio da vacinação contra o HPV.


A vacina distribuída pelo Sistema Único de Saúde (SUS) protege contra quatro tipos do vírus: 6, 11, 16 e 18 – sendo os dois últimos relacionados a 70% dos casos de câncer de útero. “A Febrasgo tem defendido que para uma ação efetiva, a cobertura vacinal seja de 90%. Hoje é de 46%”, disse o médico.

O especialista ainda explica que a vacina contra HPV deve em um cenário ideal ser ministrada em três doses para completa ação protetiva, porém duas doses têm se mostrado suficientes. Segundo ele, seria importante que todas elas fossem aplicadas nas escolas. “Hoje, para tomar a última dose da vacina, é necessário buscar  uma unidade de saúde, o que tem gerado evasão. É importante irmos até os jovens para garantir essa prevenção. E as escolas poderiam ser esse local”, contou.


Mulheres de 09 a 45 anos podem se vacinar contra o HPV. A vacina está disponível gratuitamente nas unidades básicas de saúde para meninas de 9 a 14 anos e para meninos de 11 a 13 anos. Para os homens, indica-se que a prevenção ocorra até os 26 anos. Quanto mais precocemente ocorrer, maior o potencial de a proteção ocorrer antes que a pessoa tenha contato com o vírus. A dificuldade de acesso ou hábito de se consultar regularmente com profissionais de ginecologia é outro entrave à prevenção, identificação e, consequente, tratamento do câncer cervical uterino. Pesquisa da Febrasgo, realizada em 2018, revelou que 13% das mulheres, com mais de 16 anos, nunca foram ou não costuma ir ao ginecologista.


Outro dado que incide negativamente no combate à doença aponta que 60% da população feminina chegam, pela primeira vez, ao consultório do ginecologista com cerca de 20 anos de idade em decorrência de algum problema instalado, por suspeita de gravidez ou por já estar grávida.


Carvalho sugere que uma forma de incentivar a procura por acompanhamento médico preventivo seria atrelá-lo a programas sociais, como o Bolsa Família. “Cerca de 1/3 das mulheres não realizada o exame de prevenção do câncer de colo de útero, o papanicolau. Ao colocá-lo como uma das contrapartidas de acesso a esse tipo de programa, teremos mais condições de promover um rastreamento da doença, além de orientar e ajudar a prevenir outras patologias”, contou.         

TAG manausamazonascancer do colo de uterocancerprecaucaocuidados