Meio Ambiente

Ação de fiscalização resgata tartarugas no Pará

Em apenas uma semana de fiscalização, 16 tartarugas foram resgatadas pela equipe da Gerência da Região Administrativa do Xingu

Portal Amazônia, com informações da Agência Pará

jornalismo@portalamazonia.com


Ao longo do mês de setembro, a Gerência da Região Administrativa do Xingu (GRX), do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), segue reforçando o trabalho de fiscalização da pesca predatória de quelônios no Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Tabuleiro do Embaubal.

Em apenas uma semana de fiscalização, 16 tartarugas foram resgatadas pela equipe da GRX. As espécies, que foram encontradas com vida, haviam sido capturadas ilegalmente e foram devolvidas ao seu habitat natural.

 

 

 

Foto: Divulgação/Ideflor-bio

 

 

O REVIS, de responsabilidade da GRX/Ideflor-bio, foi criado com objetivo central de proteção à tartaruga da Amazônia, que migra durante os meses de agosto a fevereiro pelo Rio Xingu, para desova nas praias do Tabuleiro do Embaubal, sendo a Unidade de Conservação com maior área de desova de tartarugas do Pará, abrigando uma extensa quantidade de filhotes. A UC tem como objetivo proteger ambientes naturais onde se asseguram condições para a existência ou reprodução de espécies ou comunidades da flora local e da fauna residente ou migratória.

 

Rotineiramente, a GRX realiza fiscalizações na área, junto ao Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) e à Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMAT/Senador José Porfírio), monitorando a desova e a eclosão dos ovos das tartarugas, no interior e no entorno das unidades. As equipes percorrem toda a área do REVIS Tabuleiro do Embaubal e da RDS Vitória de Souzel, monitorando as principais ilhas no interior das Unidades em que ocorre a desova da tartaruga da Amazônia, tais como Juncal, Peteruçu, Peteruçuí, Embaubal, Jenipaí, Carão, Ponta do Miricituba e também no entorno das UCs.


Meio Ambiente

Ação de fiscalização resgata tartarugas no Pará

Em apenas uma semana de fiscalização, 16 tartarugas foram resgatadas pela equipe da Gerência da Região Administrativa do Xingu

Portal Amazônia, com informações da Agência Pará

jornalismo@portalamazonia.com


Ao longo do mês de setembro, a Gerência da Região Administrativa do Xingu (GRX), do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio), segue reforçando o trabalho de fiscalização da pesca predatória de quelônios no Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Tabuleiro do Embaubal.

Em apenas uma semana de fiscalização, 16 tartarugas foram resgatadas pela equipe da GRX. As espécies, que foram encontradas com vida, haviam sido capturadas ilegalmente e foram devolvidas ao seu habitat natural.

 

 

 

Foto: Divulgação/Ideflor-bio

 

 

O REVIS, de responsabilidade da GRX/Ideflor-bio, foi criado com objetivo central de proteção à tartaruga da Amazônia, que migra durante os meses de agosto a fevereiro pelo Rio Xingu, para desova nas praias do Tabuleiro do Embaubal, sendo a Unidade de Conservação com maior área de desova de tartarugas do Pará, abrigando uma extensa quantidade de filhotes. A UC tem como objetivo proteger ambientes naturais onde se asseguram condições para a existência ou reprodução de espécies ou comunidades da flora local e da fauna residente ou migratória.

 

Rotineiramente, a GRX realiza fiscalizações na área, junto ao Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) e à Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMAT/Senador José Porfírio), monitorando a desova e a eclosão dos ovos das tartarugas, no interior e no entorno das unidades. As equipes percorrem toda a área do REVIS Tabuleiro do Embaubal e da RDS Vitória de Souzel, monitorando as principais ilhas no interior das Unidades em que ocorre a desova da tartaruga da Amazônia, tais como Juncal, Peteruçu, Peteruçuí, Embaubal, Jenipaí, Carão, Ponta do Miricituba e também no entorno das UCs.

TAG