Resíduos de papel serão transformados em carvão ecológico no Amazonas - Portal Amazônia
Meio Ambiente
Portal Amazônia, com informações da Agência Fapeam jornalismo@portalamazonia.com
Atualizado em 10/01/2016 09:02:46

Resíduos de papel serão transformados em carvão ecológico no Amazonas

Pesquisadores garantem que produto é menos poluentes que o carvão e a lenha, usados no mercado

MANAUS – Microempreendedores do Amazonas desenvolveram um tipo de carvão ecológico a partir de resíduos de papel. O produto é fabricado através do processo de briquetagem e poderá substituir elementos poluentes como o carvão ou a lenha no mercado. A ideia também promete impulsionar a atividade de reaproveitamento de papéis descartados e agregar valor à atividade econômica de reciclagem.

“Um dos nossos intuitos é diversificar ainda mais a capacidade de briquetagem de insumos que, teoricamente, não teriam serventia para a sociedade, como é o caso dos resíduos papeleiros”, revela um dos idealizadores do projeto de pesquisa, Leonardo Araújo.

Ele e o sócio, João Batista, pretendem consolidar no mercado uma nova fonte de energia calorífica, mais sustentável e menos poluente. Além disso, o diferencial do projeto de pesquisa é que ele apresenta um produto sustentável que tem como base a logística reversa, com conceitos de redução, reutilização e reciclagem.

O estudo é desenvolvido no âmbito do Programa Sinapse da Inovação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), que visa transformar os resultados de projetos de pesquisa de universidades e instituições de ciência, tecnologia e inovação em produtos inovadores competitivos, além de fortalecer o empreendedorismo inovador.

“Inicialmente, vamos atender empresas do ramo alimentício, como churrascarias e pizzarias, que usam carvão ou lenha em fornos”, diz Batista. “Também podemos atender ao mercado doméstico e, futuramente, nossa intenção é que possamos suprir a demanda de fábricas industriais”, acrescenta Araújo.

Como transformar briquetes em fonte de energia

“O briquete é uma lenha ecológica produzida a partir da compactação de diferentes tipos de papel, que é um material de celulose e menos poluente que a lenha e o carvão, por exemplo”, explica João Batista. O processo demandaria uma grande quantidade de resíduos de papel descartado para ser compactado e transformado no carvão ecológico. “O produto é menos poluente e tem um apelo econômico e ecológico maior, pois nós não usaremos mais papel para produzi-lo, mas reaproveitaremos os que forem descartados”, acrescenta.

O processo de fabricação compõe-se em coleta, triagem, briquetagem, secagem e empacotamento e é dividida em três fases: a primeira, chamada de “Protótipo alfa”, é a fase na qual se realizam ajustes no desempenho dos briquetes e os efeitos que este causa sobre determinados alimentos.

A segunda, intitulada “Protótipo beta”, é constituída de testes de mercado em relação ao produto e, por fim, a terceira fase, denominada “Lote piloto”, que será a versão final do produto obtido a partir do retorno dos clientes, produzido em larga escala com total capacidade de fornecimento.

Segundo Leonardo Araújo, restaurantes e cooperativas de catadores também aderiram a ideia e são parceiras da iniciativa. “A Fapeam é um ponto de referência em uma sociedade carente de oportunidade e o Programa Sinapse foi um grande exemplo de quantas ideias boas podem surgir se você der oportunidade, motivação e insumos para pô-las em prática. Portanto, é essencial que existam instituições, que se posicionem como força motriz de ideias inovadoras”, disse o microempreendedor.


{{ commentsTitle }}
Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Ao comentar o autor da mensagem esta aceitando os Termos e Condições de Uso.
{{comment.username}} {{comment.creation_tstamp*1000 | date:'dd/MM/yyyy - HH:mm'}}
{{comment.comment}}
  • {{comment.dislike_count | number}}
Comentário aguardando moderação