Educação

Greve dos professores da rede pública estadual do Amazonas continua

Uma decisão judicial na última sexta-feira (23) havia determinado a suspensão do movimento grevista


Apesar da decisão judicial da última sexta-feira (23), as aulas ainda estão suspensas nas escolas onde os professores aderiram à greve. Isso porque a determinação foi da suspensão do movimento grevista liderado pelo Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (a Asprom/Sindical).

A Asprom/Sindical informou que ainda não foi notificada da liminar oficialmente.

Na medida de urgência, a desembargadora afirma que o movimento foi deflagrado no meio de franca negociação em andamento e verificou que a greve causa prejuízo na prestação de serviço essencial.

No entanto, o sindicato que estava a frente das negociações, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), também aprovou greve, com início marcado para a tarde de hoje. Em documento para pais e alunos, o Siteam destaca que a categoria está há quatro anos sem reajuste salarial, o que representa, segundo o sindicato, uma perda salarial de quase 30%.

Os professores querem reajuste de 35%. A Asprom/Sindical está realizando agora uma Assembleia Geral, para deliberar sobre a liminar da desembargadora. 

Educação

Home > Educacao > null

Greve dos professores da rede pública estadual do Amazonas continua

Uma decisão judicial na última sexta-feira (23) havia determinado a suspensão do movimento grevista

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


Apesar da decisão judicial da última sexta-feira (23), as aulas ainda estão suspensas nas escolas onde os professores aderiram à greve. Isso porque a determinação foi da suspensão do movimento grevista liderado pelo Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (a Asprom/Sindical).

A Asprom/Sindical informou que ainda não foi notificada da liminar oficialmente.

Na medida de urgência, a desembargadora afirma que o movimento foi deflagrado no meio de franca negociação em andamento e verificou que a greve causa prejuízo na prestação de serviço essencial.

No entanto, o sindicato que estava a frente das negociações, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), também aprovou greve, com início marcado para a tarde de hoje. Em documento para pais e alunos, o Siteam destaca que a categoria está há quatro anos sem reajuste salarial, o que representa, segundo o sindicato, uma perda salarial de quase 30%.

Os professores querem reajuste de 35%. A Asprom/Sindical está realizando agora uma Assembleia Geral, para deliberar sobre a liminar da desembargadora. 

TAG greve dos professoresAmazonas