Variedades

Escritor amazonense produz obra com contos de fadas do mundo contemporâneo

Inspirado em entidade galesa citada em canções, Jan Santos explora similaridade à criaturas do folclore brasileiro


"E se algo espreitasse a humanidade por meio dos olhos dos gatos ou sussurrasse seus desejos pelo canto dos pássaros?". Assim instiga, por meio das redes sociais, o escritor amazonense Jan Santos na chamada de seu terceiro livro, 'Opens external link in new windowO Dia em que Enterrei Miguel Arcanjo e outros contos de fadas'. A obra será a primeira a ser lançada exclusivamente em plataforma digital no dia 16 de junho.

Conhecido por trabalhar a literatura fantástica, Santos conta ao Portal Amazônia que a nova obra reúne histórias sobre uma criatura que possui muitos nomes - Rhiannon, Matinta, Morgana - e que "surge aos homens como uma guardiã do submundo".

"No ano passado eu passei a escutar incessantemente os álbuns da Stevie Nicks e do Fleetwood Mac, e comecei a perceber entre uma faixa e outra a existência de alguns elementos folclóricos, entre eles a descrição de Rhiannon, uma entidade galesa. Decidi então encadeá-los e montar uma narrativa nova, sobre indivíduos que entram em contato com tal entidade, mas ao mesmo tempo identificando-a com criaturas de nosso próprio folclore, como a visagem que chamamos de Matinta e a orixá Nanã", explicou.

Foram cerca de oito meses para desenvolver o conceito e mais cinco para escrever nove as histórias que compõem o livro. Segundo Santos, o livro tem como objetivo "refletir sobre a força do folclore" em suas diversas leituras "de acordo com a cultura, região ou tempo ao qual está ligado". O jovem escritor afirma que contou com a influência de artistas como Dalton Trevisan, Neil Gaiman e Stevie Nicks.

 

Foto: Gaby Firmo

 

"Foi algo muito intenso, pois escrevi o livro conforme vivenciava as músicas e a excelente recepção que 'A Rainha de Maio' teve no ano passado, na Bienal de São Paulo. Mas em 'Miguel Arcanjo' não visitei mundos tão alternativos, mas dramas de pessoas do mundo real, como uma mãe que enterra o filho criminoso, um pai que tenta criar sozinho a filha após o assassinato da esposa e até mesmo a intimidade de uma usuária de drogas. São contos de fadas do mundo contemporâneo, e sobre como não estamos prontos para lidar com as coisas que crescemos achando que é fantasia".

Plataforma

Com outras obras como 'Evangeline – Relatos de um Mundo sem luz', 'A rainha de maio' e particpação em antologias como 'Quando a selva sussurra' - os dois últimos pelo selo amazonense Lendari -, esta é a primeira obra de Jan Santos exclusiva para a plataforma digital. "Descobri que tinha nas mãos um projeto novo e decidi utilizar com exclusividade uma plataforma digital, coisa que ainda não tinha feito, como uma forma de experimentar formas alternativas de publicação, a um custo menor do que a publicação física", justificou.

O lançamento será realizado por meio da plataforma Amazon, durante a 1ª edição do evento 'Amazônia Literária', organizado pelo grupo Leal Filho em parceria com Vanessa Ferrari, curadora da FLIP.

O livro conta com prefácio escrito por Luiz Andrade, autor de 'Mundos de Ana' e membro de um coletivo de ilustradores local, o Xmao, e estará disponível a partir do dia 16 de junho. Santos avisa que irá liberar o link para compra na fanpage do livro. Cada exemplar sairá por US$5.

"O mercado literário ainda preza muito pelo glamour de uma publicação estrangeira ou de um livro extremamente bem produzido, o que nem sempre é sinônimo de uma boa história. Ainda é complicado para autores nacionais independentes, mas o lado bom é que nunca se teve tanto espaço para se fazer conhecer quanto agora, ainda na efervescência das redes sociais. Mesmo com nosso atual cenário econômico, é de se esperar que a cena literária nacional experimente algumas mudanças, o que pode ser muito promissor para autores como eu", comentou.

 

 

 


Variedades

Escritor amazonense produz obra com contos de fadas do mundo contemporâneo

Inspirado em entidade galesa citada em canções, Jan Santos explora similaridade à criaturas do folclore brasileiro

Clarissa Bacellar

clarissa.bacellar@portalamazonia.com


"E se algo espreitasse a humanidade por meio dos olhos dos gatos ou sussurrasse seus desejos pelo canto dos pássaros?". Assim instiga, por meio das redes sociais, o escritor amazonense Jan Santos na chamada de seu terceiro livro, 'Opens external link in new windowO Dia em que Enterrei Miguel Arcanjo e outros contos de fadas'. A obra será a primeira a ser lançada exclusivamente em plataforma digital no dia 16 de junho.

Conhecido por trabalhar a literatura fantástica, Santos conta ao Portal Amazônia que a nova obra reúne histórias sobre uma criatura que possui muitos nomes - Rhiannon, Matinta, Morgana - e que "surge aos homens como uma guardiã do submundo".

"No ano passado eu passei a escutar incessantemente os álbuns da Stevie Nicks e do Fleetwood Mac, e comecei a perceber entre uma faixa e outra a existência de alguns elementos folclóricos, entre eles a descrição de Rhiannon, uma entidade galesa. Decidi então encadeá-los e montar uma narrativa nova, sobre indivíduos que entram em contato com tal entidade, mas ao mesmo tempo identificando-a com criaturas de nosso próprio folclore, como a visagem que chamamos de Matinta e a orixá Nanã", explicou.

Foram cerca de oito meses para desenvolver o conceito e mais cinco para escrever nove as histórias que compõem o livro. Segundo Santos, o livro tem como objetivo "refletir sobre a força do folclore" em suas diversas leituras "de acordo com a cultura, região ou tempo ao qual está ligado". O jovem escritor afirma que contou com a influência de artistas como Dalton Trevisan, Neil Gaiman e Stevie Nicks.

 

Foto: Gaby Firmo

 

"Foi algo muito intenso, pois escrevi o livro conforme vivenciava as músicas e a excelente recepção que 'A Rainha de Maio' teve no ano passado, na Bienal de São Paulo. Mas em 'Miguel Arcanjo' não visitei mundos tão alternativos, mas dramas de pessoas do mundo real, como uma mãe que enterra o filho criminoso, um pai que tenta criar sozinho a filha após o assassinato da esposa e até mesmo a intimidade de uma usuária de drogas. São contos de fadas do mundo contemporâneo, e sobre como não estamos prontos para lidar com as coisas que crescemos achando que é fantasia".

Plataforma

Com outras obras como 'Evangeline – Relatos de um Mundo sem luz', 'A rainha de maio' e particpação em antologias como 'Quando a selva sussurra' - os dois últimos pelo selo amazonense Lendari -, esta é a primeira obra de Jan Santos exclusiva para a plataforma digital. "Descobri que tinha nas mãos um projeto novo e decidi utilizar com exclusividade uma plataforma digital, coisa que ainda não tinha feito, como uma forma de experimentar formas alternativas de publicação, a um custo menor do que a publicação física", justificou.

O lançamento será realizado por meio da plataforma Amazon, durante a 1ª edição do evento 'Amazônia Literária', organizado pelo grupo Leal Filho em parceria com Vanessa Ferrari, curadora da FLIP.

O livro conta com prefácio escrito por Luiz Andrade, autor de 'Mundos de Ana' e membro de um coletivo de ilustradores local, o Xmao, e estará disponível a partir do dia 16 de junho. Santos avisa que irá liberar o link para compra na fanpage do livro. Cada exemplar sairá por US$5.

"O mercado literário ainda preza muito pelo glamour de uma publicação estrangeira ou de um livro extremamente bem produzido, o que nem sempre é sinônimo de uma boa história. Ainda é complicado para autores nacionais independentes, mas o lado bom é que nunca se teve tanto espaço para se fazer conhecer quanto agora, ainda na efervescência das redes sociais. Mesmo com nosso atual cenário econômico, é de se esperar que a cena literária nacional experimente algumas mudanças, o que pode ser muito promissor para autores como eu", comentou.

 

 

 

TAG literaturalivroAmazonasJan SantosMiguel Arcanjo