Publicidade

Música

Belém recebe 34° edição do Festival de Música Brasileira

Este ano, o evento homenageia a pianista Guilhermina Nasser, uma das ex-diretoras da instituição, falecida em 2010


A Fundação Carlos Gomes por meio do Instituto Estadual Carlos Gomes (IECG) promove de 05 a 11 de novembro o 34° Festival de Música Brasileira. Os recitais, com a participação de alunos, professores e músicos convidados, serão realizados na Sala Ettore Bosio e o concerto de encerramento, que reunirá alguns dos principais grupos artísticos da FCG, será no Theatro da Paz. Toda a programação é aberta ao público e somente no Theatro da Paz há necessidade de retirar ingresso para assistir o concerto final.

Este ano, o evento homenageia a pianista Guilhermina Nasser, uma das ex-diretoras da instituição, falecida em 2010. O músico convidado é Edino Krieger, festejado compositor brasileiro que completou 90 anos em 2018 e que tem sido lembrado nos eventos musicais por todo o país por sua obra e defesa incansável da música brasileira. Por motivo de saúde, o maestro não poderá vir a Belém para receber a homenagem durante o evento da FCG, mas as músicas do maestro estarão no repertório dos artistas que se apresentarão na semana do festival.


     
Foto: Divulgação
 

O pianista Felipe Andrade, coordenador do festival, lembra que o maestro Edino Krieger é um dos principais nomes da música brasileira ainda em atividade. “Escolhemos Krieger porque ele tem um sabor especial pra nós professores e alunos do instituto, a produção musical dele engloba todo o repertorio de piano, quintetos, música de câmara, canto e até ópera. Então é uma pessoa muito importante e talvez um dos maiores músicos brasileiros ainda vivo.”

O Diretor de Ensino do IECG, Claudio Trindade, disse que o nome de Guilhermina Nasser foi escolhido porque tem uma grande importância para a educação musical paraense. “A importância da lendária professora Guilhermina Nasser que contribuiu para a gestão desta instituição consolidando projetos de ensino e extensão dentro do Instituto Carlos Gomes. Então é fazer com que se revisite a memória do IECG homenageando uma grande mestra”.

Edino Krieger

Compositor, crítico musical e produtor cultural, é um dos principais nomes da criação musical brasileira. Seu catálogo inclui diversas obras para orquestra sinfônica e de câmara, oratório, música de câmara, obras para coro e para vozes e instrumentos solistas, além de partituras incidentais para teatro e cinema. Suas composições têm sido executadas com frequência no Brasil e no exterior.

Guilhermina Nasser - iniciou os estudos de piano no Instituto Estadual Carlos Gomes na cadeira da professora Enid Mendes Barroso Rebelo. Em 1937 obteve o diploma conferido pela instituição. No Rio de Janeiro, estudou com os renomados pianistas Thomás Téran e Magdalena Tagliaferro. De volta a Belém, dedicou-se inteiramente ao Instituto Estadual Carlos Gomes, instituição que dirigiu e onde trabalhou por mais de 60 anos. Foi durante alguns anos diretora do Teatro da Paz no período de 1991 a 1995 e professora de piano por mais de três décadas.

Música

Home > Cultura > null

Belém recebe 34° edição do Festival de Música Brasileira

Este ano, o evento homenageia a pianista Guilhermina Nasser, uma das ex-diretoras da instituição, falecida em 2010

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A Fundação Carlos Gomes por meio do Instituto Estadual Carlos Gomes (IECG) promove de 05 a 11 de novembro o 34° Festival de Música Brasileira. Os recitais, com a participação de alunos, professores e músicos convidados, serão realizados na Sala Ettore Bosio e o concerto de encerramento, que reunirá alguns dos principais grupos artísticos da FCG, será no Theatro da Paz. Toda a programação é aberta ao público e somente no Theatro da Paz há necessidade de retirar ingresso para assistir o concerto final.

Este ano, o evento homenageia a pianista Guilhermina Nasser, uma das ex-diretoras da instituição, falecida em 2010. O músico convidado é Edino Krieger, festejado compositor brasileiro que completou 90 anos em 2018 e que tem sido lembrado nos eventos musicais por todo o país por sua obra e defesa incansável da música brasileira. Por motivo de saúde, o maestro não poderá vir a Belém para receber a homenagem durante o evento da FCG, mas as músicas do maestro estarão no repertório dos artistas que se apresentarão na semana do festival.


     
Foto: Divulgação
 

O pianista Felipe Andrade, coordenador do festival, lembra que o maestro Edino Krieger é um dos principais nomes da música brasileira ainda em atividade. “Escolhemos Krieger porque ele tem um sabor especial pra nós professores e alunos do instituto, a produção musical dele engloba todo o repertorio de piano, quintetos, música de câmara, canto e até ópera. Então é uma pessoa muito importante e talvez um dos maiores músicos brasileiros ainda vivo.”

O Diretor de Ensino do IECG, Claudio Trindade, disse que o nome de Guilhermina Nasser foi escolhido porque tem uma grande importância para a educação musical paraense. “A importância da lendária professora Guilhermina Nasser que contribuiu para a gestão desta instituição consolidando projetos de ensino e extensão dentro do Instituto Carlos Gomes. Então é fazer com que se revisite a memória do IECG homenageando uma grande mestra”.

Edino Krieger

Compositor, crítico musical e produtor cultural, é um dos principais nomes da criação musical brasileira. Seu catálogo inclui diversas obras para orquestra sinfônica e de câmara, oratório, música de câmara, obras para coro e para vozes e instrumentos solistas, além de partituras incidentais para teatro e cinema. Suas composições têm sido executadas com frequência no Brasil e no exterior.

Guilhermina Nasser - iniciou os estudos de piano no Instituto Estadual Carlos Gomes na cadeira da professora Enid Mendes Barroso Rebelo. Em 1937 obteve o diploma conferido pela instituição. No Rio de Janeiro, estudou com os renomados pianistas Thomás Téran e Magdalena Tagliaferro. De volta a Belém, dedicou-se inteiramente ao Instituto Estadual Carlos Gomes, instituição que dirigiu e onde trabalhou por mais de 60 anos. Foi durante alguns anos diretora do Teatro da Paz no período de 1991 a 1995 e professora de piano por mais de três décadas.

TAG belempara