Osiris Silva

Brasileiro, vítima complacente?

Osíris Silva

osirisasilva@gmail.com


O brasileiro quer emprego, renda, bem-estar, educação, saúde; pesquisa, ciência, tecnologia; crescimento industrial, controle da inflação, juros baixos, mercadoria e cestas básicas baratas; poder sair às ruas em segurança, controle da violência e da bandidagem; moralização do governo e das instituições públicas, regras contratuais estáveis e confiáveis.

O brasileiro, regra geral, contudo, costuma fazer corpo mole, escusa-se em fazer sacrifícios diante de adversidades. Não é muito de pagar tributos, cuidar, zelar e preservar o patrimônio público (escolas, hospitais, delegacias de polícia, bueiros, vias públicas), participar da vida comunitária, frequentar igreja e velar pelos usos e bons costumes como essência da nacionalidade, enfim.

As chuvas em Manaus e no Brasil estão fazendo enormes estragos. Deixando bem claro o insofismável menosprezo que o governo dispensa ao interesse coletivo, de seu dever constitucional cuidar e respeitar.
 

Foto:Indiara Bessa/Rede Amazônica

 

Por que abre uma cratera numa via púbica? Por que despencam casebres de encostas e são levados por enxurradas; por que acontece de cair uma passagem de nível, um bueiro ou amontoam-se lixos em vias públicas e igarapés?

Uma obra pública, para ser contratada é precedida de uma licitação, que indica a empresa vencedora a ser contratada; em seguida vem a etapa de liberação de recursos. Estes, para serem repassados à empreiteira demandam um laudo de inspeção assinado pelo engenheiro responsável, que atesta a qualidade da etapa concluída e a observância das normas contratuais.

Mesmo assim, todavia, a obra rui, o casebre desmorona, é levado pelas intempéries, e o bueiro se rompe e inunda tudo.

Aqui entram as instituições responsáveis pelo zelo do patrimônio público: assembleias legislativas e câmaras de vereadores, tribunais de conta, ministério público, procuradoria de estados e municípios, além, evidentemente, do fiscal, do departamento de obras públicas e da própria secretaria da área.

Tais órgãos, as representações parlamentares, os centros sociais de bairros, as comunidades religiosas, entidades defensoras de direitos humanos, não se sabe exatamente por que razão, no final das contas terminam fazendo ouvido de mercador sobre o desastre. Ao fim e ao cabo, permanece tudo como dantes no quartel de Abrantes.

À espreita do próximo desastre ambiental. É da tradição.

Não quero nem arguir nesta oportunidade qual a razão do avassalador aumento de assaltos em plena luz do dia por grupos de facínoras que não respeitam mais escolas, cemitérios, velórios, shoppings, igrejas.

Nem por que certos setores da imprensa, da pastoral da terra, dos direitos humanos preferem culpar frequente e impiedosamente a polícia por uso excessivo de força contra o coitado do assaltante ou do vândalo, não levando em conta o fato de que na maioria dos casos as vítimas dos confrontos provêm do tráfico de drogas e de bandos de assaltantes, na maioria das vezes contumazes.

Onde a sociedade e suas forças mobilizadoras se encontram? Grêmios estudantis, diretórios acadêmicos, sindicatos, a igreja e suas representações laicas? A espreita de culpados, como sempre? Nada mais?

Pelo visto a sociedade demanda soluções, mas não quer pagar o preço.  Alternativa? Acredito haver, e, certamente há. Mas, por enquanto, prefiro deixar o desafio no ar.

Manaus, 7 de abril de 2017.


Osiris Silva

Brasileiro, vítima complacente?

Osíris Silva

osirisasilva@gmail.com


O brasileiro quer emprego, renda, bem-estar, educação, saúde; pesquisa, ciência, tecnologia; crescimento industrial, controle da inflação, juros baixos, mercadoria e cestas básicas baratas; poder sair às ruas em segurança, controle da violência e da bandidagem; moralização do governo e das instituições públicas, regras contratuais estáveis e confiáveis.

O brasileiro, regra geral, contudo, costuma fazer corpo mole, escusa-se em fazer sacrifícios diante de adversidades. Não é muito de pagar tributos, cuidar, zelar e preservar o patrimônio público (escolas, hospitais, delegacias de polícia, bueiros, vias públicas), participar da vida comunitária, frequentar igreja e velar pelos usos e bons costumes como essência da nacionalidade, enfim.

As chuvas em Manaus e no Brasil estão fazendo enormes estragos. Deixando bem claro o insofismável menosprezo que o governo dispensa ao interesse coletivo, de seu dever constitucional cuidar e respeitar.
 

Foto:Indiara Bessa/Rede Amazônica

 

Por que abre uma cratera numa via púbica? Por que despencam casebres de encostas e são levados por enxurradas; por que acontece de cair uma passagem de nível, um bueiro ou amontoam-se lixos em vias públicas e igarapés?

Uma obra pública, para ser contratada é precedida de uma licitação, que indica a empresa vencedora a ser contratada; em seguida vem a etapa de liberação de recursos. Estes, para serem repassados à empreiteira demandam um laudo de inspeção assinado pelo engenheiro responsável, que atesta a qualidade da etapa concluída e a observância das normas contratuais.

Mesmo assim, todavia, a obra rui, o casebre desmorona, é levado pelas intempéries, e o bueiro se rompe e inunda tudo.

Aqui entram as instituições responsáveis pelo zelo do patrimônio público: assembleias legislativas e câmaras de vereadores, tribunais de conta, ministério público, procuradoria de estados e municípios, além, evidentemente, do fiscal, do departamento de obras públicas e da própria secretaria da área.

Tais órgãos, as representações parlamentares, os centros sociais de bairros, as comunidades religiosas, entidades defensoras de direitos humanos, não se sabe exatamente por que razão, no final das contas terminam fazendo ouvido de mercador sobre o desastre. Ao fim e ao cabo, permanece tudo como dantes no quartel de Abrantes.

À espreita do próximo desastre ambiental. É da tradição.

Não quero nem arguir nesta oportunidade qual a razão do avassalador aumento de assaltos em plena luz do dia por grupos de facínoras que não respeitam mais escolas, cemitérios, velórios, shoppings, igrejas.

Nem por que certos setores da imprensa, da pastoral da terra, dos direitos humanos preferem culpar frequente e impiedosamente a polícia por uso excessivo de força contra o coitado do assaltante ou do vândalo, não levando em conta o fato de que na maioria dos casos as vítimas dos confrontos provêm do tráfico de drogas e de bandos de assaltantes, na maioria das vezes contumazes.

Onde a sociedade e suas forças mobilizadoras se encontram? Grêmios estudantis, diretórios acadêmicos, sindicatos, a igreja e suas representações laicas? A espreita de culpados, como sempre? Nada mais?

Pelo visto a sociedade demanda soluções, mas não quer pagar o preço.  Alternativa? Acredito haver, e, certamente há. Mas, por enquanto, prefiro deixar o desafio no ar.

Manaus, 7 de abril de 2017.

TAG