Mazé Mourão

Vá lá que seja

A conversa evoluiu para o whats, porém, mana do céu, o rapaz é filho da prima da cunhada da minha colega lá de Lábrea


Nefredite, a new-blogueira comunicou – a quem interessar possa – solenemente que desistiu dos Sites de Relacionamento. “Olha, para ser virtual, a mão me basta. Precisa ver a onda. Te viram do avesso, querem martelada, assim, assim, mas pele com pele que é bom, necas de petibiriba”! Esbravejou NFDT (lembra da crônica do domingo passado?).  Modestamente, disse: “A virtualidade acaba e tem que encontrar a figura”.  Ela concorda: “Pois é, mana. Aviso logo que não faço nada pela tela... aí parece que joguei a bomba Ninja, o camarada vai para o paredão e desaparece”, informa desolada. “Nessas horas tenho é saudade da pracinha lá de Lábrea. Nada dessas pavulagens”, complementa.

 

 

Foto: Reprodução/Shutterstock

 


Para não ficar no vácuo, tentei argumentar: “Mas conheço pessoas que se deram muito bem, até casaram e vivem felizes, NFDT”. E veio a tréplica: “Vá lá que seja, como diz o meu amigo Luppi Pinheiro (ela chama de LUU), encontrei, sim, o par perfeito. A conversa evoluiu para o whats, porém, mana do céu, o rapaz é filho da prima da cunhada da minha colega lá de Lábrea”? Arremata: “Se soubesse, ligava do celular, não passava por toda essa ‘tensão de pensamento’, tipo, ‘ai, não conheço’. Éras-te! E para matar a sua curiosidade, MM, estou namorando com ele”! É, NFDT, vá lá que seja. Você não toma jeito, mesmo. Até.


Mazé Mourão

Vá lá que seja

A conversa evoluiu para o whats, porém, mana do céu, o rapaz é filho da prima da cunhada da minha colega lá de Lábrea

Mazé Mourão

jornalismo@portalamazonia.com


Nefredite, a new-blogueira comunicou – a quem interessar possa – solenemente que desistiu dos Sites de Relacionamento. “Olha, para ser virtual, a mão me basta. Precisa ver a onda. Te viram do avesso, querem martelada, assim, assim, mas pele com pele que é bom, necas de petibiriba”! Esbravejou NFDT (lembra da crônica do domingo passado?).  Modestamente, disse: “A virtualidade acaba e tem que encontrar a figura”.  Ela concorda: “Pois é, mana. Aviso logo que não faço nada pela tela... aí parece que joguei a bomba Ninja, o camarada vai para o paredão e desaparece”, informa desolada. “Nessas horas tenho é saudade da pracinha lá de Lábrea. Nada dessas pavulagens”, complementa.

 

 

Foto: Reprodução/Shutterstock

 


Para não ficar no vácuo, tentei argumentar: “Mas conheço pessoas que se deram muito bem, até casaram e vivem felizes, NFDT”. E veio a tréplica: “Vá lá que seja, como diz o meu amigo Luppi Pinheiro (ela chama de LUU), encontrei, sim, o par perfeito. A conversa evoluiu para o whats, porém, mana do céu, o rapaz é filho da prima da cunhada da minha colega lá de Lábrea”? Arremata: “Se soubesse, ligava do celular, não passava por toda essa ‘tensão de pensamento’, tipo, ‘ai, não conheço’. Éras-te! E para matar a sua curiosidade, MM, estou namorando com ele”! É, NFDT, vá lá que seja. Você não toma jeito, mesmo. Até.

TAG Maze Mouraoartigoarticulista