Mazé Mourão

Empoderamento, aspas

Mazé Mourão

mazemanaus@gmail.com


Concordo com o marqueteiro Washigton Olivetto. Essas novas palavras ou expressões, que surgem e viralizam, se tornam uma verdade absoluta e você tem que usar no meio de uma conversa para mostrar que é moderno, atualizado, como diziam os antigos ‘por dentro’.

O atual neologismo que caiu nas graças dos brasileiros, da mídia e por aí vai, é o tal empoderamento feminino.

Irrita tanto quanto o ‘famoso beijo no coração’! Como beijar o coração de alguém?  Tem que matar a pessoa, literalmente, tirar o órgão e beija-lo!  Quanto o empoderamento para falar do Poder Feminino. Penduricalhos, sinceramente? Desnecessário!

Outra ação que dá nos nervos é quando, no meio do papo, o interlocutor faz com os dedos aspas (“ ”) para sei lá para demonstrar o quê. Outro dia, quem fez isso comigo foi minha neta Manuela. Juro que não sei que que ela quis explicar falando com os dedos como se fossem duas garrinhas. Não gosto. Não sou obrigada... vixe, olha aí outra expressão que ganha lugar no dicionário nacional. Até.


Mazé Mourão

Empoderamento, aspas

Mazé Mourão

mazemanaus@gmail.com


Concordo com o marqueteiro Washigton Olivetto. Essas novas palavras ou expressões, que surgem e viralizam, se tornam uma verdade absoluta e você tem que usar no meio de uma conversa para mostrar que é moderno, atualizado, como diziam os antigos ‘por dentro’.

O atual neologismo que caiu nas graças dos brasileiros, da mídia e por aí vai, é o tal empoderamento feminino.

Irrita tanto quanto o ‘famoso beijo no coração’! Como beijar o coração de alguém?  Tem que matar a pessoa, literalmente, tirar o órgão e beija-lo!  Quanto o empoderamento para falar do Poder Feminino. Penduricalhos, sinceramente? Desnecessário!

Outra ação que dá nos nervos é quando, no meio do papo, o interlocutor faz com os dedos aspas (“ ”) para sei lá para demonstrar o quê. Outro dia, quem fez isso comigo foi minha neta Manuela. Juro que não sei que que ela quis explicar falando com os dedos como se fossem duas garrinhas. Não gosto. Não sou obrigada... vixe, olha aí outra expressão que ganha lugar no dicionário nacional. Até.

TAG artigoarticulistaMaze Mourao