Flávio Lauria

Recados da vida

Continuo como artesão de textos em outros contextos, nutrindo a humilde esperança de marcar um pouco os outros com minha visão de mundo



Quem escreve semanalmente como eu com mais de mil e quatrocentos artigos e ensaios, fica com o ego massageado quando se recebe ou por e-mail ou por mensagem do facebook, mensagens como “seu artigo lavou-me a alma, me fez rir, me comoveu, me fez dizer "É isto mesmo". Sinalizam que não estou sozinho em meus modos de perceber e de pensar. Também sou construtivamente marcado pelos que discordam e criticam, pois me ajudam a manter a mente aberta. Inspirados em indignações ou encantamentos, meus artigos refletem a marca de valores legados pelos construtores da minha bagagem em seus "recados de vida": Ignorância gera besteira ou desgraça.
Pode ser melhor, sim. Desconfie sempre do governo e não confie demais na oposição. Discurso é ação e o autor deve ser responsabilizado por suas palavras. O preço das decisões é para ser pago sem queixas. Imoral é enganar os outros. O bem que fizeres retorna a ti, o mal também. Sede assim, qualquer coisa, serena, isenta, fiel. Quem merece de Deus os dias e as noites, merece de nós bom dia, desculpe e obrigado.

 

 

 

 

Foto: Reprodução/Shutterstock

 

 

Faz vinte e cinco anos que comecei a escrever diariamente no Jornal O Jornal e também no Diário da Tarde onde o velho Ajuricaba e a própria D.Lourdes Archer Pinto me davam incentivos para escrever, e olha que era coluna social, com pseudônimo. Depois fui escrever no Jornal A Critica, onde levava meu artigo para o velho Martins Diretor de Redação ainda na Lobo DÁlmada, e ele era o meu censor.

Entre pesadas máquinas de escrever Olivetti, na velha redação do Jornal do Comercio, tive a atenção fraterna do proprietário e já experiente Guilherme Aluísio, cujo bom humor e coleguismo são inesquecíveis. Depois de outros tantos anos como docente eis-me colaborador da página de Opinião, onde publiquei mais de 1.200 matérias. Falei de mazelas sociais, desmantelos urbanos, amor, ética, política, religião, causos e causos verdadeiros ou não ( a maioria foram verdadeiros), sobre um lado de sandália deixado na Djalma Batista, artigo que me trouxe muitos elogios, e até futebol.
Com profissionalismo, respeitei rigorosamente o limite determinado para o tamanho dos textos, apurando forçosamente um estilo enxuto que parece agradar à minha vintena de leitores. Após todos esses anos, não abandono a causa do respeito às diferenças nem o sonho de melhora da cidade de Manaus e do Mundo. O labor e a responsabilidade de expressar ideias esculpindo textos são para mim, também curtição. Sou grato aos leitores, que me motivaram, e vou prosseguir de olho no mundo, de coração nos afetos, de alma na trilha da paz.

Continuo como artesão de textos em outros contextos, nutrindo a humilde esperança de marcar um pouco os outros com minha visão de mundo e ser por eles marcada. Grato a todos os leitores e leitoras que me acompanham e que tecem comentários sobre as matérias geradas as vezes no raiar do dia da quarta feira, dia que escrevo.


Flávio Lauria

Recados da vida

Continuo como artesão de textos em outros contextos, nutrindo a humilde esperança de marcar um pouco os outros com minha visão de mundo

Flávio Lauria

lauriaferreira@hotmail.com



Quem escreve semanalmente como eu com mais de mil e quatrocentos artigos e ensaios, fica com o ego massageado quando se recebe ou por e-mail ou por mensagem do facebook, mensagens como “seu artigo lavou-me a alma, me fez rir, me comoveu, me fez dizer "É isto mesmo". Sinalizam que não estou sozinho em meus modos de perceber e de pensar. Também sou construtivamente marcado pelos que discordam e criticam, pois me ajudam a manter a mente aberta. Inspirados em indignações ou encantamentos, meus artigos refletem a marca de valores legados pelos construtores da minha bagagem em seus "recados de vida": Ignorância gera besteira ou desgraça.
Pode ser melhor, sim. Desconfie sempre do governo e não confie demais na oposição. Discurso é ação e o autor deve ser responsabilizado por suas palavras. O preço das decisões é para ser pago sem queixas. Imoral é enganar os outros. O bem que fizeres retorna a ti, o mal também. Sede assim, qualquer coisa, serena, isenta, fiel. Quem merece de Deus os dias e as noites, merece de nós bom dia, desculpe e obrigado.

 

 

 

 

Foto: Reprodução/Shutterstock

 

 

Faz vinte e cinco anos que comecei a escrever diariamente no Jornal O Jornal e também no Diário da Tarde onde o velho Ajuricaba e a própria D.Lourdes Archer Pinto me davam incentivos para escrever, e olha que era coluna social, com pseudônimo. Depois fui escrever no Jornal A Critica, onde levava meu artigo para o velho Martins Diretor de Redação ainda na Lobo DÁlmada, e ele era o meu censor.

Entre pesadas máquinas de escrever Olivetti, na velha redação do Jornal do Comercio, tive a atenção fraterna do proprietário e já experiente Guilherme Aluísio, cujo bom humor e coleguismo são inesquecíveis. Depois de outros tantos anos como docente eis-me colaborador da página de Opinião, onde publiquei mais de 1.200 matérias. Falei de mazelas sociais, desmantelos urbanos, amor, ética, política, religião, causos e causos verdadeiros ou não ( a maioria foram verdadeiros), sobre um lado de sandália deixado na Djalma Batista, artigo que me trouxe muitos elogios, e até futebol.
Com profissionalismo, respeitei rigorosamente o limite determinado para o tamanho dos textos, apurando forçosamente um estilo enxuto que parece agradar à minha vintena de leitores. Após todos esses anos, não abandono a causa do respeito às diferenças nem o sonho de melhora da cidade de Manaus e do Mundo. O labor e a responsabilidade de expressar ideias esculpindo textos são para mim, também curtição. Sou grato aos leitores, que me motivaram, e vou prosseguir de olho no mundo, de coração nos afetos, de alma na trilha da paz.

Continuo como artesão de textos em outros contextos, nutrindo a humilde esperança de marcar um pouco os outros com minha visão de mundo e ser por eles marcada. Grato a todos os leitores e leitoras que me acompanham e que tecem comentários sobre as matérias geradas as vezes no raiar do dia da quarta feira, dia que escrevo.

TAG Flavio Lauria