Flávio Lauria

Paradoxal

"Mamilos à mostra, mesmo que aconteça em meio a corpos seminus, nas praias e piscinas, geram bate-boca"


Mamilos à mostra, mesmo que aconteça em meio a corpos seminus, nas praias e piscinas, geram bate-boca. E piadas. E assobios marotos. E mesmo brigas. E podem destruir reputações. Cá no Brasil, já deram até prisão.

Juntamente com a genitália (que é, como esclarece o Aurélio, o “conjunto do órgão copulador e anexos nos artrópodes”), eles, os mamilos, são o patinho feio do corpo feminino. Assim sendo, não devem ser exibidos em público. Ao contrário, cumpre que sejam mantidos longe dos olhos alheios.

Essa norma é um imperativo da moral e dos costumes vigentes neste país tropical. Se ela resulta igualmente de dispositivo legal ou não, é matéria controversa que não cabe discutir aqui. Suponho que o eventual leitor desta crônica esteja imaginando que este introito vá desembocar numa acusação ou defesa do topless.

Esclareço-o logo: nem uma coisa nem outra. Meu intento é apenas o de divulgar o resultado de um levantamento que fiz à beira-mar, durante o verão que pouco a pouco, e infelizmente, vai se encaminhando para seu encerramento oficial. Trabalho sério, embora realizado na base do “olhômetro” atento e imparcial.

Sua conclusão – a qual de certa forma já antecipei de início – foi esta: ao contrário do que se costuma dizer, ler e ouvir, não são exatamente os seios desnudos que sofrem restrição e até punição no Brasil. Contra a exibição de seu formato, de suas cores, de sua rigidez ou flacidez nenhuma reprovação se faz sentir.

Eles por aí andam à mostra, não só nas praias e nas piscinas, mas também nas ruas, nos salões e até nos templos religiosos. A olho nu, contanto que os mamilos estejam discretamente cobertos, podem ser vistos e dimensionados com extrema facilidade, graças aos cada vez mais generosos decotes dos vestidos, blusas, sutiãs e maiôs de uma ou duas peças – todas elas partes de um vestuário feminino a cada dia, a cada verão, mais e mais sumários e transparentes como os céus dos mais belos dias de outono...

Lembrado isso, volto aos mamilos. É através de sua exibição ou não que se costuma avaliar o maior ou menor grau da pudicícia das mulheres de hoje. Se os mantiver cobertos, ainda que, como hoje se observa no litoral e nas piscinas, com uma simples tirazinha à guisa de sutiã, tudo bem, muito a contemplar, nada a reclamar...

Postas estas considerações, resta-me compor um final que as justifique, livrando-as de qualquer conotação picaresca passível de má interpretação. E o que me ocorre é esta lembrança que põe a descoberto este paradoxo: por incrível que pareça, o mamilo é justamente a primeira parte do corpo feminino com o qual o homem visualiza e toma contato, não sem antes reclamá-lo aos prantos...

Apesar disso, o topless, por mostrar o que mostra, a muitos de nós escandaliza. Já quanto às nádegas femininas, bem mais carnudas do que os seios, só por não terem mamilos, nenhuma restrição visual. Enfim...

Flávio Lauria

Home > Articulistas > Flavio-lauria

Paradoxal

"Mamilos à mostra, mesmo que aconteça em meio a corpos seminus, nas praias e piscinas, geram bate-boca"

Flávio Lauria

lauriaferreira@hotmail.com


Mamilos à mostra, mesmo que aconteça em meio a corpos seminus, nas praias e piscinas, geram bate-boca. E piadas. E assobios marotos. E mesmo brigas. E podem destruir reputações. Cá no Brasil, já deram até prisão.

Juntamente com a genitália (que é, como esclarece o Aurélio, o “conjunto do órgão copulador e anexos nos artrópodes”), eles, os mamilos, são o patinho feio do corpo feminino. Assim sendo, não devem ser exibidos em público. Ao contrário, cumpre que sejam mantidos longe dos olhos alheios.

Essa norma é um imperativo da moral e dos costumes vigentes neste país tropical. Se ela resulta igualmente de dispositivo legal ou não, é matéria controversa que não cabe discutir aqui. Suponho que o eventual leitor desta crônica esteja imaginando que este introito vá desembocar numa acusação ou defesa do topless.

Esclareço-o logo: nem uma coisa nem outra. Meu intento é apenas o de divulgar o resultado de um levantamento que fiz à beira-mar, durante o verão que pouco a pouco, e infelizmente, vai se encaminhando para seu encerramento oficial. Trabalho sério, embora realizado na base do “olhômetro” atento e imparcial.

Sua conclusão – a qual de certa forma já antecipei de início – foi esta: ao contrário do que se costuma dizer, ler e ouvir, não são exatamente os seios desnudos que sofrem restrição e até punição no Brasil. Contra a exibição de seu formato, de suas cores, de sua rigidez ou flacidez nenhuma reprovação se faz sentir.

Eles por aí andam à mostra, não só nas praias e nas piscinas, mas também nas ruas, nos salões e até nos templos religiosos. A olho nu, contanto que os mamilos estejam discretamente cobertos, podem ser vistos e dimensionados com extrema facilidade, graças aos cada vez mais generosos decotes dos vestidos, blusas, sutiãs e maiôs de uma ou duas peças – todas elas partes de um vestuário feminino a cada dia, a cada verão, mais e mais sumários e transparentes como os céus dos mais belos dias de outono...

Lembrado isso, volto aos mamilos. É através de sua exibição ou não que se costuma avaliar o maior ou menor grau da pudicícia das mulheres de hoje. Se os mantiver cobertos, ainda que, como hoje se observa no litoral e nas piscinas, com uma simples tirazinha à guisa de sutiã, tudo bem, muito a contemplar, nada a reclamar...

Postas estas considerações, resta-me compor um final que as justifique, livrando-as de qualquer conotação picaresca passível de má interpretação. E o que me ocorre é esta lembrança que põe a descoberto este paradoxo: por incrível que pareça, o mamilo é justamente a primeira parte do corpo feminino com o qual o homem visualiza e toma contato, não sem antes reclamá-lo aos prantos...

Apesar disso, o topless, por mostrar o que mostra, a muitos de nós escandaliza. Já quanto às nádegas femininas, bem mais carnudas do que os seios, só por não terem mamilos, nenhuma restrição visual. Enfim...

TAG artigomamilos a mostraparadoxo