Publicidade

Flavio Guimarães

As melhores áreas para seguir nos próximos 10 anos

"Já imaginou se nós tivéssemos uma bola de cristal que pudesse nos indicar quais áreas para empreendermos?"

Flávio Guimarães*

flavioguimaraesjr@gmail.com


Muitos estão em busca de descobrir os segredos do futuro. Já imaginou se nós tivéssemos uma bola de cristal que pudesse nos indicar quais áreas para empreendermos, seja em nossas profissões ou com empresas próprias? Uau, seria fantástico!!! Mas como na prática é diferente, precisamos estudar, analisar a viabilidade e criar algumas projeções para o futuro.

Há mais ou menos 10 a 15 anos, a Amazônia era uma região dominada pelo forró e dificilmente veríamos ser tão adepta ao estilo musical sertanejo. Hoje, é uma febre em todos os municípios que passamos. O pensamento para essa criação de uma nova forma de eventos e shows foi visto lá trás. A projeção foi simples: todos os Estados da Amazônia estavam crescendo significativamente em relação à sua população.

Com isso, temos mais pessoas estressadas por causa de trânsito, filas em bancos, supermercados e comércios, mais o vai e vem de gente em todos os lugares que vamos, enfim. Por consequência, na visão dos negócios o ideal é trazer iniciativas que diminuam esse estresse inconsciente.

A música sertaneja, por sua vez, é proveniente dos interiores do Sudeste, Centro-Oeste e outras regiões do país. É um estilo musical que vem das fazendas e da vida mais tranquila que o interior pode dar. Nada melhor que trazer um sentimento de paz em forma de música. E assim, deu certo. Hoje, temos proporcionalmente um dos maiores índices do país em shows com artistas sertanejos. Todos lotam, já perceberam?

Dessa forma, podemos criar algumas previsões para o futuro em carreiras que podemos seguir ou negócios que podemos iniciar. Um deles é o mercado de aparelhos auditivos. É isso mesmo. Vocês já perceberam como nos últimos 5 anos aumentou assustadoramente o uso de fones de ouvidos? E, em muitos casos, os clientes adeptos a eles usam seus volumes altos. Por consequência, num futuro breve, teremos uma população com muitos problemas auditivos. Com isso, se abre algumas oportunidades, seja para a fabricação de aparelhos ou serviços médicos para essa demanda.
 
 
Foto: Shutterstock 
No entanto, para entrar nesse nicho de mercado é necessário que nos preparemos desde já. Se for para a Medicina, imaginamos 5 anos de faculdade, mais 1 de residência, mais 2 de especialização. Se for para a Indústria, imaginamos o tempo que se leva para a criação de um projeto de viabilidade, aprovação de incentivos fiscais, capacitação para profissionais trabalharem em nosso negócio e outros detalhes que a vida organizacional requer.

Além disso, também temos o crescimento de 583% em relação a problemas ortopédicos (coluna). A postura inadequada diante do avanço da tecnologia é o que mais leva esse percentual a crescer. É o tablet que, na maioria das vezes, dobramos o pescoço para baixo e permanecemos na sua visualização. É o uso do notebook, que pode nos levar a sentarmos tortos nas cadeiras, olhando para baixo o tempo inteiro. É o uso do celular, que tentamos fazer outras coisas ao mesmo tempo, e assim, dobramos o pescoço em 45 graus. Enfim, são muitos detalhes que nos levam a ver que a demanda de serviços de ortopedia, fabricação de aparelhos de fisioterapia e outros, é uma realidade.

Com o passar do tempo, temos uma previsão social que a sociedade brasileira vai ter mais pessoas com idades avançadas do que mais jovens. Com isso, também abrimos as oportunidades de serviços de Gerontologia, vendas de produtos, pacotes e ofertas que atendam a esse público-alvo, que hoje tem poucos recursos focados para atendê-lo. O que mais podemos criar de ideias para atendê-los?

O futuro também reserva espaço para a Tecnologia. Sim, sempre ela. No entanto, daqui a alguns anos as demandas serão diferentes. Hoje as empresas estão migrando boa parte de suas estratégias para o sistema automatizado. Se as estratégias estarão em um sistema, precisamos ter Segurança e Gestão da Informação, que vai proteger esses dados sem que corra o risco de um concorrente ou um hacker roubá-las. Junto a isso, também teremos a necessidade de criação de novas estratégicas com base em análises de dados já existentes. A cada dia, precisamos criar uma estratégia nova e isso é um grande desafio. Desenvolvedores, programadores, cientistas são os principais destaques para esse nicho.

A automatização industrial também é uma realidade que virá no futuro, já tendo uma grande participação no presente. Procedimentos que hoje são realizados de forma manual serão migrados para a tecnologia com máquinas e equipamentos. Precisamos montar essas máquinas, aplicar manutenções, programá-las, e trocá-las de acordo com as mudanças de mercado. Técnicos de CLP, técnicos de Automação Industrial, técnicos de robótica também serão demandas reais em breve.

E o desenvolvimento de games? Não podemos esquecer dele. Numa sociedade que a população fica cada vez mais depressiva, temos uma demanda real de criação de meios que possam criar entretenimento e diversão. Os games estão aí para isso. No entanto, ainda não temos um polo significativo de criação no Brasil.

Aqui citamos algumas das áreas que serão demandas reais nos próximos 10 anos. Temos várias outras, que voltaremos a falar em breve.

Está na hora de começar a pensar nas novas alternativas de negócios e desenvolvimento para a Amazônia. Temos grandes potenciais e oportunidades de fazermos muito dinheiro. É nesse caminho que temos de ir.

*Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria, Administrador de Empresas, Especializado em Negócios, Comportamento e Recursos Humanos, Articulista dos Jornais Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas 1ª Edição, CBN Amazonas, CBN Rondônia e Portal Amazônia.
 

Flavio Guimarães

Home > Opiniao > Flavio-guimaraes

As melhores áreas para seguir nos próximos 10 anos

"Já imaginou se nós tivéssemos uma bola de cristal que pudesse nos indicar quais áreas para empreendermos?"

Flávio Guimarães*

flavioguimaraesjr@gmail.com


Muitos estão em busca de descobrir os segredos do futuro. Já imaginou se nós tivéssemos uma bola de cristal que pudesse nos indicar quais áreas para empreendermos, seja em nossas profissões ou com empresas próprias? Uau, seria fantástico!!! Mas como na prática é diferente, precisamos estudar, analisar a viabilidade e criar algumas projeções para o futuro.

Há mais ou menos 10 a 15 anos, a Amazônia era uma região dominada pelo forró e dificilmente veríamos ser tão adepta ao estilo musical sertanejo. Hoje, é uma febre em todos os municípios que passamos. O pensamento para essa criação de uma nova forma de eventos e shows foi visto lá trás. A projeção foi simples: todos os Estados da Amazônia estavam crescendo significativamente em relação à sua população.

Com isso, temos mais pessoas estressadas por causa de trânsito, filas em bancos, supermercados e comércios, mais o vai e vem de gente em todos os lugares que vamos, enfim. Por consequência, na visão dos negócios o ideal é trazer iniciativas que diminuam esse estresse inconsciente.

A música sertaneja, por sua vez, é proveniente dos interiores do Sudeste, Centro-Oeste e outras regiões do país. É um estilo musical que vem das fazendas e da vida mais tranquila que o interior pode dar. Nada melhor que trazer um sentimento de paz em forma de música. E assim, deu certo. Hoje, temos proporcionalmente um dos maiores índices do país em shows com artistas sertanejos. Todos lotam, já perceberam?

Dessa forma, podemos criar algumas previsões para o futuro em carreiras que podemos seguir ou negócios que podemos iniciar. Um deles é o mercado de aparelhos auditivos. É isso mesmo. Vocês já perceberam como nos últimos 5 anos aumentou assustadoramente o uso de fones de ouvidos? E, em muitos casos, os clientes adeptos a eles usam seus volumes altos. Por consequência, num futuro breve, teremos uma população com muitos problemas auditivos. Com isso, se abre algumas oportunidades, seja para a fabricação de aparelhos ou serviços médicos para essa demanda.
 
 
Foto: Shutterstock 
No entanto, para entrar nesse nicho de mercado é necessário que nos preparemos desde já. Se for para a Medicina, imaginamos 5 anos de faculdade, mais 1 de residência, mais 2 de especialização. Se for para a Indústria, imaginamos o tempo que se leva para a criação de um projeto de viabilidade, aprovação de incentivos fiscais, capacitação para profissionais trabalharem em nosso negócio e outros detalhes que a vida organizacional requer.

Além disso, também temos o crescimento de 583% em relação a problemas ortopédicos (coluna). A postura inadequada diante do avanço da tecnologia é o que mais leva esse percentual a crescer. É o tablet que, na maioria das vezes, dobramos o pescoço para baixo e permanecemos na sua visualização. É o uso do notebook, que pode nos levar a sentarmos tortos nas cadeiras, olhando para baixo o tempo inteiro. É o uso do celular, que tentamos fazer outras coisas ao mesmo tempo, e assim, dobramos o pescoço em 45 graus. Enfim, são muitos detalhes que nos levam a ver que a demanda de serviços de ortopedia, fabricação de aparelhos de fisioterapia e outros, é uma realidade.

Com o passar do tempo, temos uma previsão social que a sociedade brasileira vai ter mais pessoas com idades avançadas do que mais jovens. Com isso, também abrimos as oportunidades de serviços de Gerontologia, vendas de produtos, pacotes e ofertas que atendam a esse público-alvo, que hoje tem poucos recursos focados para atendê-lo. O que mais podemos criar de ideias para atendê-los?

O futuro também reserva espaço para a Tecnologia. Sim, sempre ela. No entanto, daqui a alguns anos as demandas serão diferentes. Hoje as empresas estão migrando boa parte de suas estratégias para o sistema automatizado. Se as estratégias estarão em um sistema, precisamos ter Segurança e Gestão da Informação, que vai proteger esses dados sem que corra o risco de um concorrente ou um hacker roubá-las. Junto a isso, também teremos a necessidade de criação de novas estratégicas com base em análises de dados já existentes. A cada dia, precisamos criar uma estratégia nova e isso é um grande desafio. Desenvolvedores, programadores, cientistas são os principais destaques para esse nicho.

A automatização industrial também é uma realidade que virá no futuro, já tendo uma grande participação no presente. Procedimentos que hoje são realizados de forma manual serão migrados para a tecnologia com máquinas e equipamentos. Precisamos montar essas máquinas, aplicar manutenções, programá-las, e trocá-las de acordo com as mudanças de mercado. Técnicos de CLP, técnicos de Automação Industrial, técnicos de robótica também serão demandas reais em breve.

E o desenvolvimento de games? Não podemos esquecer dele. Numa sociedade que a população fica cada vez mais depressiva, temos uma demanda real de criação de meios que possam criar entretenimento e diversão. Os games estão aí para isso. No entanto, ainda não temos um polo significativo de criação no Brasil.

Aqui citamos algumas das áreas que serão demandas reais nos próximos 10 anos. Temos várias outras, que voltaremos a falar em breve.

Está na hora de começar a pensar nas novas alternativas de negócios e desenvolvimento para a Amazônia. Temos grandes potenciais e oportunidades de fazermos muito dinheiro. É nesse caminho que temos de ir.

*Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria, Administrador de Empresas, Especializado em Negócios, Comportamento e Recursos Humanos, Articulista dos Jornais Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas 1ª Edição, CBN Amazonas, CBN Rondônia e Portal Amazônia.
 

TAG empregocarreiraFlavio Guimaraesartigo