Publicidade

Flavio Guimarães

A especialidade como fator determinante para a empregabilidade

"Ela significa quando um profissional define a área que vai seguir com afinco após se formar ou como uma especialização após a formação principal"

Flávio Guimarães*

flavioguimaraesjr@gmail.com


Todos os dias ouvimos que a capacitação profissional é crucial para a volta ou ingresso ao mercado de trabalho. E realmente é. No entanto, essa capacitação tem um viés mais profundo: a especialização segmentada. Ela significa quando um profissional, seja com experiência ou não em determinada profissão, define a área que vai seguir com afinco após se formar ou como uma especialização após a formação principal. Com isso, o processo de construção de marca é iniciado: quando a sociedade reconhece um(a) profissional como especialista na área.

Como fazer isso de forma prática? É simples: vamos supor que você, que está lendo o Portal Amazônia, decide que vai seguir na área de Administração. Dentro dela, nós temos as várias áreas como Financeiro, Fiscal, RH, Compras, Auditoria, ISO, Produção, Segurança, Comercial, Institucional, Logística, Indústria, Serviços, Comércio, e tantas outras. Sabendo disso, em qual área você vai se especializar? Veja, dentro da sua profissão ou na profissão que vai seguir futuramente, quais as áreas internas. Assim que fizer isso, defina a direção e vá!

Em muitos casos, vagas abrem e fecham sem serem preenchidas exatamente por isso. A empresa precisa, quer e pode contratar, porém, não existe perfil alinhado ao que precisam que façam no dia-a-dia. Se conseguíssemos desenvolver as especialidades diretas teríamos uma ampla geração de mais e mais empregos. Assim, começaríamos também a desenvolver novas metodologias de trabalhos, novos modelos de negócios, pesquisas, desenvolvimento e assim por diante. Oh, céus, como precisamos disso.
 
 
Foto: Arquivo/Agência Brasil 
Nos dias atuais, as empresas, seja de seleção ou que fazem contratações de forma direta, sofrem por não terem profissionais suficientes para determinadas funções, que quase sempre exigem especialidades específicas. As formações generalistas são um pesadelo para os contratantes. No seu Estado, na sua cidade, quais as funções que as empresas mais têm dificuldade para a efetivação de contratações? Se você se identificar com ela, é lá que precisa ir.

Além disso, temos outro ponto importante para citarmos: as especializações improváveis. Por exemplo: Engenharia Mecânica com foco na área Comercial. Normalmente, profissionais que são da área de Exatas não se especializam em assuntos da área de Humanas. E vice-versa. No entanto, quando criamos uma especialização improvável conseguimos atender a alguma demanda específica de algum segmento. Com isso, nos tornaremos necessários para a empresa. Nesse caso que citamos, vamos imaginar uma empresa que trabalha com serviços de geração de energia elétrica. Para eles, seria um sonho ter um profissional com formação de Exatas e Humanas ao mesmo tempo. O profissional que monta a máquina e a vende. Que maravilha!

Outro exemplo de especialização improvável? Medicina com foco na área de Negociações. Imagina você ser um(a) médico(a) e saber vender produtos e equipamentos médicos para hospitais, entidades de Terceiro Setor e empresas de comércio? Você ganharia muito tempo. Seria perfeito! Inclusive, você já viu os profissionais que se formam na área de Saúde e migram para a área de vendas? Em redes sociais, eles ganham muito dinheiro fazendo divulgações e vendas.

Me recordo que há alguns anos atrás conquistei um cliente dessa forma. Na internet vi um curso EAD sobre Introdução à Engenharia Aeronáutica. Achei aquilo fantástico e me inscrevi. Foram 06 meses de curso intensivo, conhecendo engrenagens mecânicas, montagens, programações robóticas, enfim. Sinceramente, foi uma brincadeira que pensei que nunca iria usar para qualquer atividade rotineira. Passou-se mais alguns meses e recebi um chamado de uma empresa que queria algumas prestações de serviços. Agendamos o dia e horário e lá estava eu para conversar com o dono. 

Andando pelo pátio de produção, ele me apontou uma máquina e disse que ninguém conseguia saber o que acontecia com ela e que já estava há mais um ano parada. De longe, a avistei e pedi para olhá-la. Assim, fomos em direção da bendita máquina. Comecei a ver toda a engrenagem que ela tinha e era exatamente igual a uma peça que eu conheci durante o curso. Olhei para ele e disse: “Já sei qual o problema”, e lhe expliquei como funcionava a programação de tempo e passagem de ar em duas peças bem pequenas que atrapalhavam todo o processo. Dois dias depois, a máquina estava a pleno vapor, aumentando a produção e gerando dinheiro. Até hoje, ele é meu amigo pessoal. Da forma mais improvável, ganhei um amigo.

Falamos sobre as Especializações Diretas, Especialização Improváveis, e agora temos mais uma: a Especialização Fantasma. Essa é a capacitação que você pode fazer, mesmo que pense que nunca usará no dia-a-dia profissional. O exemplo da Introdução à Engenharia Aeronáutica é claro sobre isso. No entanto, essa última (a Fantasma) é recomendada após já termos uma Especialização direta e improvável. Ela é uma extensão das duas.

E então? Qual a sua escolha de Especialização?

*Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria, Administrador de Empresas, Especializado em Negócios, Comportamento e Recursos Humanos, Articulista dos Jornais Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas 1ª Edição, CBN Amazonas, CBN Rondônia e Portal Amazônia.
 

Flavio Guimarães

Home > Opiniao > Flavio-guimaraes

A especialidade como fator determinante para a empregabilidade

"Ela significa quando um profissional define a área que vai seguir com afinco após se formar ou como uma especialização após a formação principal"

Flávio Guimarães*

flavioguimaraesjr@gmail.com


Todos os dias ouvimos que a capacitação profissional é crucial para a volta ou ingresso ao mercado de trabalho. E realmente é. No entanto, essa capacitação tem um viés mais profundo: a especialização segmentada. Ela significa quando um profissional, seja com experiência ou não em determinada profissão, define a área que vai seguir com afinco após se formar ou como uma especialização após a formação principal. Com isso, o processo de construção de marca é iniciado: quando a sociedade reconhece um(a) profissional como especialista na área.

Como fazer isso de forma prática? É simples: vamos supor que você, que está lendo o Portal Amazônia, decide que vai seguir na área de Administração. Dentro dela, nós temos as várias áreas como Financeiro, Fiscal, RH, Compras, Auditoria, ISO, Produção, Segurança, Comercial, Institucional, Logística, Indústria, Serviços, Comércio, e tantas outras. Sabendo disso, em qual área você vai se especializar? Veja, dentro da sua profissão ou na profissão que vai seguir futuramente, quais as áreas internas. Assim que fizer isso, defina a direção e vá!

Em muitos casos, vagas abrem e fecham sem serem preenchidas exatamente por isso. A empresa precisa, quer e pode contratar, porém, não existe perfil alinhado ao que precisam que façam no dia-a-dia. Se conseguíssemos desenvolver as especialidades diretas teríamos uma ampla geração de mais e mais empregos. Assim, começaríamos também a desenvolver novas metodologias de trabalhos, novos modelos de negócios, pesquisas, desenvolvimento e assim por diante. Oh, céus, como precisamos disso.
 
 
Foto: Arquivo/Agência Brasil 
Nos dias atuais, as empresas, seja de seleção ou que fazem contratações de forma direta, sofrem por não terem profissionais suficientes para determinadas funções, que quase sempre exigem especialidades específicas. As formações generalistas são um pesadelo para os contratantes. No seu Estado, na sua cidade, quais as funções que as empresas mais têm dificuldade para a efetivação de contratações? Se você se identificar com ela, é lá que precisa ir.

Além disso, temos outro ponto importante para citarmos: as especializações improváveis. Por exemplo: Engenharia Mecânica com foco na área Comercial. Normalmente, profissionais que são da área de Exatas não se especializam em assuntos da área de Humanas. E vice-versa. No entanto, quando criamos uma especialização improvável conseguimos atender a alguma demanda específica de algum segmento. Com isso, nos tornaremos necessários para a empresa. Nesse caso que citamos, vamos imaginar uma empresa que trabalha com serviços de geração de energia elétrica. Para eles, seria um sonho ter um profissional com formação de Exatas e Humanas ao mesmo tempo. O profissional que monta a máquina e a vende. Que maravilha!

Outro exemplo de especialização improvável? Medicina com foco na área de Negociações. Imagina você ser um(a) médico(a) e saber vender produtos e equipamentos médicos para hospitais, entidades de Terceiro Setor e empresas de comércio? Você ganharia muito tempo. Seria perfeito! Inclusive, você já viu os profissionais que se formam na área de Saúde e migram para a área de vendas? Em redes sociais, eles ganham muito dinheiro fazendo divulgações e vendas.

Me recordo que há alguns anos atrás conquistei um cliente dessa forma. Na internet vi um curso EAD sobre Introdução à Engenharia Aeronáutica. Achei aquilo fantástico e me inscrevi. Foram 06 meses de curso intensivo, conhecendo engrenagens mecânicas, montagens, programações robóticas, enfim. Sinceramente, foi uma brincadeira que pensei que nunca iria usar para qualquer atividade rotineira. Passou-se mais alguns meses e recebi um chamado de uma empresa que queria algumas prestações de serviços. Agendamos o dia e horário e lá estava eu para conversar com o dono. 

Andando pelo pátio de produção, ele me apontou uma máquina e disse que ninguém conseguia saber o que acontecia com ela e que já estava há mais um ano parada. De longe, a avistei e pedi para olhá-la. Assim, fomos em direção da bendita máquina. Comecei a ver toda a engrenagem que ela tinha e era exatamente igual a uma peça que eu conheci durante o curso. Olhei para ele e disse: “Já sei qual o problema”, e lhe expliquei como funcionava a programação de tempo e passagem de ar em duas peças bem pequenas que atrapalhavam todo o processo. Dois dias depois, a máquina estava a pleno vapor, aumentando a produção e gerando dinheiro. Até hoje, ele é meu amigo pessoal. Da forma mais improvável, ganhei um amigo.

Falamos sobre as Especializações Diretas, Especialização Improváveis, e agora temos mais uma: a Especialização Fantasma. Essa é a capacitação que você pode fazer, mesmo que pense que nunca usará no dia-a-dia profissional. O exemplo da Introdução à Engenharia Aeronáutica é claro sobre isso. No entanto, essa última (a Fantasma) é recomendada após já termos uma Especialização direta e improvável. Ela é uma extensão das duas.

E então? Qual a sua escolha de Especialização?

*Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria, Administrador de Empresas, Especializado em Negócios, Comportamento e Recursos Humanos, Articulista dos Jornais Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas 1ª Edição, CBN Amazonas, CBN Rondônia e Portal Amazônia.
 

TAG empregocarreiraFlavio Guimaraesartigo