Flávia Frota Cavalcanti

A Ventania – Tributo a Ferreira Gullar

Um tributo a Ferreira Gullar, escritor, poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, memorialista e ensaísta brasileiro

Flávia Costa Cavalcanti

jornalismo@portalamazonia.com


 

 

Foto: Reprodução/O Globo

 

A poesia está em todos os lugares, no poema que se lê, na voz que se ouve, na música que se canta. Encontra-se no farfalhar das folhas, na gritaria das crianças durante o recreio e no chorinho do bebê. Traduz-se em diversas formas de encantamento e inspiração que nos remetem a outros tempos, outros lugares. O que se vivencia hoje, mais tarde voltará à mente em doces e poéticas lembranças. 
O cheiro e o som são poesia em construção, despertam nossos sentimentos mais remotos e aguçam nossa criatividade para buscar, sondar e percorrer, até encontrar. Encontrar um vocábulo que preencha o que pensamos, uma fotografia que amenize a saudade, um abraço que preencha a solidão. 
Ao ouvir os poemas de Gullar em CD - na voz dele - deparei com tudo isso. Melodia recitada, expressão poética na voz do criador, sintonia entre autor e leitora ouvinte, descobertas e recordações despertadas lentamente, com todo o deslumbramento que o poeta provoca. 
[...] 
Enquanto 
minha mãe costura e o arroz 
no fogo 
rescende a família. 
[...] 
De repente está você, de volta à velha casa da infância, naquela rua quieta, ouvindo os sons de inocência e tranquilidade. A poesia nos leva, transporta para uma viagem sem pedir licença, e ao mesmo tempo sem forçar. O cheiro do arroz ressurge e rescende a afeição pela família, aflora o amor, rememora um tempo em que o mundo inteiro parecia estar aos seus pés. 
[...] 
Não é voz de ninguém 
esse barulho 
que se mistura ao som da nossa fala 
entra ano sai ano 
se mistura 
aos sons da nossa casa 
da água na torneira 
da vassoura na sala 
Não é voz 
de mangueira? 
de oitizeiro 
de sapotizeira? 
[...] 
A casa ressurge, está viva dentro de você! O cotidiano volta e posta-se à sua frente, imponente, com ares da mais verdadeira realidade. E quem poderá dizer o contrário? Nesse momento você está lá, ouvindo a água na torneira, escutando a vassoura na sala. E lá fora, ah, que delícia o ventar das árvores! E você se muda. Partiu para aquele mundo, seu primeiro ninho, sua referência de cuidado, segurança e proteção. Que super poderes tem a poesia, para trazer de tão longe tudo isso de volta? Quanto prazer despertado pelo simples estímulo das palavras mágicas do poeta.
[...] 
Todo o vento 
ventado aqueles anos 
na Quinta dos Medeiros 
se teria esvaído sem lembrança 
não fora haver 
naquela casa de esquina 
para ouvi-lo 
ao menos um menino. 
[...] 
Um menino que está vivo. Pulsando, tomado de frescor e energia, atento, a observar pelas frestas da memória, uma vida inteira que não se foi, mas permanece intacta. Está impregnada nas suas entranhas, eternizada em seu coração, viva em suas lembranças e aflorada pela emoção que a poesia desperta. Obrigada Gullar, obrigada vento, cheiro, memória! Obrigada, poeta, por imortalizar nossas recordações e perpetuar nossas vidas – a sua e de seus leitores - para além da eternidade.
Ouça aqui o poema “A Ventania”. 
  


Flávia Frota Cavalcanti

A Ventania – Tributo a Ferreira Gullar

Um tributo a Ferreira Gullar, escritor, poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, memorialista e ensaísta brasileiro

Flávia Costa Cavalcanti

jornalismo@portalamazonia.com


 

 

Foto: Reprodução/O Globo

 

A poesia está em todos os lugares, no poema que se lê, na voz que se ouve, na música que se canta. Encontra-se no farfalhar das folhas, na gritaria das crianças durante o recreio e no chorinho do bebê. Traduz-se em diversas formas de encantamento e inspiração que nos remetem a outros tempos, outros lugares. O que se vivencia hoje, mais tarde voltará à mente em doces e poéticas lembranças. 
O cheiro e o som são poesia em construção, despertam nossos sentimentos mais remotos e aguçam nossa criatividade para buscar, sondar e percorrer, até encontrar. Encontrar um vocábulo que preencha o que pensamos, uma fotografia que amenize a saudade, um abraço que preencha a solidão. 
Ao ouvir os poemas de Gullar em CD - na voz dele - deparei com tudo isso. Melodia recitada, expressão poética na voz do criador, sintonia entre autor e leitora ouvinte, descobertas e recordações despertadas lentamente, com todo o deslumbramento que o poeta provoca. 
[...] 
Enquanto 
minha mãe costura e o arroz 
no fogo 
rescende a família. 
[...] 
De repente está você, de volta à velha casa da infância, naquela rua quieta, ouvindo os sons de inocência e tranquilidade. A poesia nos leva, transporta para uma viagem sem pedir licença, e ao mesmo tempo sem forçar. O cheiro do arroz ressurge e rescende a afeição pela família, aflora o amor, rememora um tempo em que o mundo inteiro parecia estar aos seus pés. 
[...] 
Não é voz de ninguém 
esse barulho 
que se mistura ao som da nossa fala 
entra ano sai ano 
se mistura 
aos sons da nossa casa 
da água na torneira 
da vassoura na sala 
Não é voz 
de mangueira? 
de oitizeiro 
de sapotizeira? 
[...] 
A casa ressurge, está viva dentro de você! O cotidiano volta e posta-se à sua frente, imponente, com ares da mais verdadeira realidade. E quem poderá dizer o contrário? Nesse momento você está lá, ouvindo a água na torneira, escutando a vassoura na sala. E lá fora, ah, que delícia o ventar das árvores! E você se muda. Partiu para aquele mundo, seu primeiro ninho, sua referência de cuidado, segurança e proteção. Que super poderes tem a poesia, para trazer de tão longe tudo isso de volta? Quanto prazer despertado pelo simples estímulo das palavras mágicas do poeta.
[...] 
Todo o vento 
ventado aqueles anos 
na Quinta dos Medeiros 
se teria esvaído sem lembrança 
não fora haver 
naquela casa de esquina 
para ouvi-lo 
ao menos um menino. 
[...] 
Um menino que está vivo. Pulsando, tomado de frescor e energia, atento, a observar pelas frestas da memória, uma vida inteira que não se foi, mas permanece intacta. Está impregnada nas suas entranhas, eternizada em seu coração, viva em suas lembranças e aflorada pela emoção que a poesia desperta. Obrigada Gullar, obrigada vento, cheiro, memória! Obrigada, poeta, por imortalizar nossas recordações e perpetuar nossas vidas – a sua e de seus leitores - para além da eternidade.
Ouça aqui o poema “A Ventania”. 
  

TAG articulistaarteartigo